Ações sobem com queda nos yields de Treasuries após dados de empregos nos EUA mais fracos

Por Sinéad Carew e Amruta Khandekar

(Reuters) - Os principais índices acionários de Wall Street subiram com força nesta sexta-feira, com os rendimentos dos títulos em queda acentuada, depois que dados mostraram sinais de desaceleração do crescimento do emprego nos Estados Unidos e uma alta no desemprego, aumentando as esperanças de que o Federal Reserve tenha encerrado sua campanha de incrementos da taxa de juros.

O relatório do Departamento do Trabalho dos EUA mostrou que as vagas de trabalho fora do setor agrícola aumentaram em 150.000 empregos em outubro, muito menos do que o avanço esperado de 180.000, em parte devido a greves nas três principais montadoras de Detroit.

Os dados do último mês foram revisados para baixo para mostrar uma alta de 297.000 em vez de 336.000. A taxa de desemprego subiu para 3,9%.

O Dow Jones subiu 0,66%, para 34.061,32 pontos. O S&P 500 ganhou 0,94%, para 4.358,34 pontos. O índice de tecnologia Nasdaq avançou 1,38%, para 13.478,28 pontos.

Na semana, o S&P 500 ganhou 5,9%, sua maior alta desde novembro de 2022, e o Nasdaq subiu 6,6%, também seu maior avanço desde novembro de 2022. O Dow Jones apresentou um ganho semanal de 5,1%, o maior desde outubro de 2022.

Os dados de emprego também ajudaram a reduzir os rendimentos dos Treasuries pela quarta sessão consecutiva. Durante o pregão, o retorno do título de dez anos atingiu seu nível mais baixo em mais de cinco semanas. O movimento nos rendimentos deu suporte às ações.

O Nasdaq ostentou seu sexto dia consecutivo no território positivo, enquanto o S&P 500 e o Dow Jones apresentaram suas quintas sessões consecutivas de ganhos.

A maioria dos 11 principais setores do S&P 500 avançou, liderada pelo setor imobiliário, que é mais sensível aos juros, que terminou com alta de 2,4%, depois de atingir seu maior valor desde setembro.

Continua após a publicidade

Dos 11 setores, apenas o de energia recuou, com uma baixa de mais de 1% no dia, devido à queda dos preços do petróleo.

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes

As mais lidas agora