Refinarias da China cortam produção de petróleo devido a margens reduzidas e escassez de cotas

Por Muyu Xu e Trixie Yap e Chen Aizhu

CINGAPURA (Reuters) - As taxas de utilização das refinarias de petróleo da China estão diminuindo em relação aos níveis recordes do terceiro trimestre, já que a redução das margens e a escassez de cotas de exportação desencorajam as unidades a aumentar a produção até o final de 2023, de acordo com traders e consultorias do setor.

A queda no refino poderia reduzir a demanda de petróleo bruto do maior importador do mundo e limitar os preços globais do petróleo, aumentando os estoques de petróleo bruto da China e diminuindo os preços do principal fornecedor, a Rússia.

Espera-se que a China processe 15,1 milhões de barris por dia (bpd) em novembro, abaixo dos 15,37 milhões de bpd registrados em outubro, segundo a consultoria FGE, principalmente devido a cortes de produção em pequenas empresas independentes, conhecidas como "teapots", e refinarias estatais.

"As refinarias devem estar pensando em cortes marginais de produção devido às cotas de exportação limitadas que sobram para o restante deste ano", disse à Reuters Mia Geng, chefe de análise de petróleo da FGE na China, referindo-se às refinarias estatais.

"Além disso, já estamos observando a formação de estoques de combustíveis para transporte devido ao enfraquecimento da demanda."

As refinarias estatais, que vêm registrando ganhos com as lucrativas exportações de combustível no início do ano, veem pouco incentivo para aumentar a produção, já que é improvável que Pequim libere mais licenças de exportação de combustível este ano.

"As margens estão quase desaparecendo, pois estamos processando petróleo bruto de preço mais alto, enquanto a demanda por combustível refinado está enfraquecendo", disse um funcionário de uma refinaria da Sinopec, que não quis se identificar, acrescentando que sua unidade está reduzindo a produção em cerca de 20.000 bpd este mês, atingindo o nível mais baixo deste ano.

"A fraca demanda industrial por produtos petroquímicos não está ajudando."

Continua após a publicidade

A consultoria Energy Aspects reduziu sua previsão para a produção de refino na China em novembro e dezembro em 100.000 bpd, para uma média de 15,65 milhões de bpd no quarto trimestre.

As taxas de utilização em teapots no centro de refino da província de Shandong estão em média em torno de 57%, abaixo dos cerca de 65% no início de outubro, de acordo com a consultoria Longzhong, sediada na China, marcando o nível mais baixo desde maio de 2022, quando a atividade foi prejudicada pelas restrições da Covid-19 na China.

(Reportagem de Muyu Xu, Trixie Yap e Chen Aizhu)

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes