Ryanair prevê lucro anual recorde e primeiro dividendo regular com alta nas tarifas

DUBLIN (Reuters) - A Ryanair espera registrar lucro anual recorde e pagará pela primeira vez um dividendo regular aos seus investidores, informou a companhia aérea nesta segunda-feira, citando aumento durante o verão europeu de 24% nas tarifas, que devem permanecer elevadas nos próximos anos devido à capacidade limitada.

A Ryanair prevê um lucro após impostos para o ano que termina em março entre 1,85 bilhão e 2,05 bilhões de euros, superando facilmente seu recorde anterior de 1,45 bilhão de euros em 2018.

"Acreditamos que estamos preparados para um forte crescimento no próximo ano, tanto em termos de números de passageiros... como em tarifas aéreas subjacentes durante o período de pico", disse o presidente-executivo do grupo, Michael O'Leary, em uma apresentação em vídeo.

A Ryanair tem aumentado a capacidade muito mais rapidamente do que a maioria das operadoras aéreas concorrentes, a fim de aproveitar o "boom" de viagens que se seguiu após os lockdowns da era da Covid-19, transportando 25% mais de passageiros entre julho e setembro deste ano do que em 2019.

A capacidade europeia como um todo caiu 7% no mesmo período em relação aos níveis de 2019, de acordo com o Eurocontrol, que gerencia o espaço aéreo europeu.

O'Leary disse que problemas com motores Pratt & Whitney provavelmente limitarão a capacidade implantada pelos rivais que operam aviões Airbus no próximo verão, enquanto a baixa produção dos fabricantes de aviões restringiria a capacidade até 2030.

A Ryanair também disse que pagará um dividendo regular inicial de 400 milhões de euros no próximo ano e, nos anos subsequentes, retornará cerca de 25% do lucro após impostos por meio de um dividendo ordinário.

A política de dividendos é um "forte voto de confiança na empresa", disse o diretor financeiro da companhia, Neil Sorahan, em entrevista.

A Ryanair faturou 2,18 bilhões de euros nos seis meses até setembro, a primeira metade do seu ano fiscal, 59% acima do recorde anterior para o período.

Continua após a publicidade

(Reportagem de Conor Humphries)

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes