TIM tem lucro líquido normalizado de R$724 mi no 3º tri, alta de 53% ano a ano

SÃO PAULO (Reuters) - A TIM divulgou nesta segunda-feira lucro líquido normalizado de 724 milhões de reais no terceiro trimestre, avanço de 53% ante o mesmo período no ano anterior, com desempenho sólido nas frentes financeiras, operacional e comercial.

Já o lucro líquido contábil atingiu 716 milhões de reais no trimestre, representando um aumento de 59,9% em comparação com o mesmo período de 2022.

A TIM, controlada pela europeia Telecom Italia, também apurou lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda) normalizado de 3 bilhões de reais nos meses de julho a setembro, 11,6% acima do mesmo período no ano passado, com margem Ebitda normalizada de 49,7%, ou 1,7 ponto percentual superior ao mesmo período em 2022.

Analistas esperavam, em média, lucro líquido de 564,7 milhões de reais para a operadora de telecomunicações, e Ebitda de 2,94 bilhões de reais, segundo dados da LSEG.

A operadora de telecomunicações registrou receita líquida normalizada de 6,1 bilhões de reais, alta de 7,9% na base anual, em desempenho impulsionado por resultados positivos em suas principais linhas de serviço móvel, banda larga da TIM UltraFibra e produtos, disse a companhia em relatório.

A receita de serviço móvel da TIM Brasil no período de julho a setembro subiu 7,7% ano a ano, a 5,55 bilhões de reais, em função principalmente do desempenho da receita da modalidade de plano pós-pago, enquanto o fixo avançou 4,5%, a 325 milhões de reais.

No trimestre, a TIM somou 61,3 milhões de usuários móveis (-11% ano a ano), sendo 34,1 milhões no pré-pago e 27,2 milhões no pós-pago, enquanto a base de clientes TIM UltraFibra (+11,6% ano a ano) apurada foi de 791 mil usuários.

Os custos e despesas normalizados da operação somaram 3 bilhões de reais no terceiro trimestre, crescimento de 4,5% frente à mesma etapa em 2022, reflexo da "execução eficiente do controle de custos da companhia", disse a TIM.

No acumulado do ano até setembro, o aumento nos custos e despesas normalizados foi mais acentuado, de 7,9% ano a ano, disse a empresa, afetado por maiores despesas com interconexão e custos mais elevados com mercadorias vendidas.

Continua após a publicidade

(Reportagem de Patricias Vilas Boas)

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes