Waller, do Fed, diz que crescimento do PIB dos EUA no 3° tri foi "explosivo", mas dados novos indicam desaceleração

Por Howard Schneider e Lindsay Dunsmuir

WASHINGTON (Reuters) - O crescimento econômico dos Estados Unidos no terceiro trimestre, a uma taxa anualizada de 4,9%, foi uma performance "explosiva" que precisa ser observada enquanto o Federal Reserve considera suas próximas medidas de política monetária, disse o diretor do banco central norte-americano Christopher Waller nesta terça-feira.

"Esse foi um trimestre excepcional (...) esse grande número explosivo", afirmou Waller em um seminário de dados econômicos no Fed de St. Louis. Ao analisar os componentes da produção dos EUA, "tudo estava crescendo". "Portanto, isso é algo que estamos acompanhando de perto quando pensamos em política monetária daqui para frente."

Waller também destacou sinais de que o crescimento do emprego estava desacelerando, e o que ele chamou de "terremoto" que ocorreu na forma de rendimentos de títulos de longo prazo mais altos e potencialmente redutores do crescimento.

Em comentários à Ohio Bankers League, a diretora do Fed Michelle Bowman disse que considerou o recente número do PIB como evidência de que a economia não apenas "permaneceu forte", mas pode ter ganhado velocidade e exigir uma taxa de juros mais alta do Fed.

"Continuo esperando que precisemos aumentar ainda mais a taxa básica", disse Bowman.

Com base nos dados econômicos que estão chegando, o modelo GDPNow do Fed de Atlanta sugere que o Produto Interno Bruto do quarto trimestre crescerá a uma taxa anualizada de 2,1%, uma queda acentuada em relação à leitura do terceiro trimestre e se aproximando de um ritmo que as autoridades do Fed podem considerar como permitindo que a inflação desacelere dos atuais 3,4%, conforme medido pelo índice PCE, para sua meta de 2%. De acordo com o índice PCE, o indicador preferencial do Fed, a inflação foi de 3,4% em setembro.

"CLARAMENTE SE ACALMANDO"

Em comentários na segunda-feira, a diretora do Fed Lisa Cook destacou especialmente o aumento do estresse da dívida.

Continua após a publicidade

Embora isso não seja amplamente aparente entre as famílias "resilientes" dos EUA, disse ela, "estamos vendo sinais emergentes de estresse para as famílias com pontuações de crédito mais baixas, e os tomadores de empréstimos individuais podem ter dificuldades com o peso das dívidas em face das dificuldades econômicas", afirmou. Uma dinâmica que, na margem, começará a reduzir os gastos dos consumidores e, no limite, poderá tornar os bancos ainda mais relutantes em conceder empréstimos.

Após destacar o crescimento vertiginoso do terceiro trimestre, Waller destacou que sinais de que a economia pode estar se afastando ainda mais dos excessos que definiram os anos de pandemia.

Após uma série de crescimento "incrível" do emprego, disse Waller, "o mercado de trabalho está afrouxando um pouco... Está claramente se acalmando", com o recente crescimento do emprego mais alinhado com os níveis observados antes da pandemia do coronavírus.

Contra o crescimento econômico observado nos últimos meses, um aumento nos rendimentos dos títulos de longo prazo levou algumas autoridades do Fed a achar que as condições de crédito podem estar se tornando apertadas o suficiente para que o banco central não precise mais aumentar sua própria taxa básica de curto prazo.

Em comentários separados para a CNBC nesta terça-feira, o presidente do Fed de Chicago, Austan Goolsbee, destacou que a inflação está em desaceleração e que a alta das taxas de juros baseadas no mercado, "se (...) for mantida em níveis elevados", provavelmente representa um aperto nas condições de crédito para famílias e empresas.

"Então, temos que levar isso em conta... Devemos esperar que isso ocorra com um certo atraso na economia. Portanto, estamos todos prestando atenção e tentando descobrir qual é o fator determinante", disse Goolsbee.

Continua após a publicidade

Nem Goolsbee nem o presidente do Fed de Minneapolis, Neel Kashkari, que falou à Bloomberg Television nesta terça-feira, descartaram novos aumentos de juros.

Observando, como fez Waller, as recentes leituras "quentes" sobre a atividade econômica, Kashkari disse que "isso me faz questionar se a política monetária é tão rígida quanto supomos que seja atualmente"

"Se a inflação voltasse a subir e a atividade econômica continuasse muito forte no lado real da economia, isso me diria que talvez precisássemos fazer mais", acrescentou Kashkari.

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes