FMI melhora previsões de crescimento do PIB da China para 2023 e 2024

Por Joe Cash e Ryan Woo

PEQUIM (Reuters) - A economia da China deve crescer 5,4% este ano após uma "forte" recuperação pós-Covid, disse o Fundo Monetário Internacional nesta terça-feira, fazendo uma revisão para cima de sua previsão anterior de crescimento de 5%, enquanto espera um crescimento mais lento no próximo ano.

O FMI disse que a fraqueza contínua no setor imobiliário e a demanda externa fraca podem restringir o crescimento do Produto Interno Bruto a 4,6% em 2024, o que ainda é melhor do que a previsão de 4,2% feita em seu relatório Perspectiva Econômica Global, publicado em outubro.

A revisão para cima ocorreu após a decisão da China de aprovar uma emissão de títulos soberanos de 1 trilhão de iuanes (137 bilhões de dólares) e permitir que os governos locais antecipassem parte de suas cotas de títulos de 2024, em um movimento para sustentar a economia.

"Revisamos para cima o crescimento em 0,4 ponto percentual em ambos os anos em relação às nossas projeções do (relatório) de outubro, refletindo um crescimento mais forte do que o esperado no terceiro trimestre e o novo suporte anunciado recentemente", disse em Pequim a primeira vice-diretora-gerente do FMI, Gita Gopinath.

No médio prazo, a projeção é de que o crescimento desacelere gradualmente para cerca de 3,5% até 2028 em meio a problemas de produtividade fraca e envelhecimento da população, disse Gopinath em uma coletiva de imprensa para marcar a divulgação da análise do "Artigo IV" do fundo sobre as políticas econômicas da China.

A China adotou várias medidas para sustentar o mercado imobiliário, mas é necessário mais para garantir uma recuperação mais rápida, bem como custos econômicos mais baixos para reduzi-los a um tamanho mais sustentável, disse ela.

"Para o setor imobiliário, esse pacote de medidas exigirá a aceleração da saída de incorporadoras imobiliárias inviáveis, a remoção de impedimentos ao ajuste do preço das moradias e o aumento do financiamento do governo central para a conclusão de moradias, entre outras medidas", disse Gopinath.

A combinação da desaceleração do setor imobiliário e da crise da dívida de governos locais pode acabar com grande parte do potencial de crescimento de longo prazo da China, segundo os economistas.

Continua após a publicidade

A dívida local chegou a 92 trilhões de iuanes (12,6 trilhões de dólares), ou 76% da produção econômica da China em 2022, acima dos 62,2% em 2019. O Politburo da China, o principal órgão de decisão do Partido Comunista, disse no final de julho que anunciaria medidas para reduzir os riscos de endividamento dos governos locais.

"O governo central deve implementar reformas coordenadas do arcabouço fiscal e reestruturação do balanço patrimonial para lidar com as tensões da dívida dos governos locais, incluindo o fechamento das lacunas fiscais e o controle do fluxo da dívida", disse Gopinath.

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes