Petróleo cai 4% com preocupações sobre demanda e dólar forte

BENGALURU (Reuters) - Os preços do petróleo caíram mais de 4% nesta terça-feira, a uma mínima desde o final de julho, à medida que dados econômicos chineses mistos e o aumento das exportações da Opep diminuíram temores sobre mercados apertados, e conforme o dólar se fortalecia.

Os futuros do Brent fecharam abaixo de 84 dólares o barril primeira vez desde o ataque do Hamas contra Israel em 7 de outubro, a 81,61 dólares por barril, uma queda de 3,57 dólares, ou 4,2%.

Os futuros do West Texas Intermediate (WTI) dos EUA fecharam a 77,37 dólares o barril, declínio de 3,45 dólares, ou 4,3%.

"Os operadores permanecerão em alerta máximo para sinais de um conflito mais amplo emergente na região que possa perturbar o abastecimento, mas parece que esses receios estão diminuindo", disse Craig Erlam, analista da Oanda.

A recuperação nas exportações de petróleo da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) também aumentou a pressão sobre os preços do petróleo, disse Giovanni Staunovo, analista do UBS.

Do lado da demanda, as importações de petróleo bruto da China registraram crescimento robusto em outubro, mas as exportações totais de bens e serviços contraíram a um ritmo mais rápido do que o esperado.

"Os dados sinalizam declínio contínuo das perspectivas econômicas chinesas, impulsionado pela deterioração da demanda no maior destino de exportação do país: o Ocidente", disse Fiona Cincotta, analista do City Index.

A diminuição das esperanças dos investidores de um pico nas taxas de juros globais também ajudou a elevar o dólar norte-americano das mínimas recentes, tornando o petróleo mais caro para os detentores de outras moedas. [MKTS/GLOB]

"Há preocupações nos mercados de petróleo sobre o aumento da oferta e a queda na demanda", disse Robert Yawger, analista da Mizuho. "Certamente não é um mercado restrito no momento", acrescentou.

Continua após a publicidade

(Reportagem de Shariq Khan em Bengaluru; Reportagem adicional de Trixie Yap em Cingapura e Yuka Obayashi em Tóquio)

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes