Minério de ferro amplia alta com otimismo sobre setor imobiliário da China

PEQUIM (Reuters) - Os contratos futuros do minério de ferro ampliaram os ganhos pela quarta sessão consecutiva nesta segunda-feira, impulsionados pelo otimismo em relação aos estímulos relacionados ao setor imobiliário chinês e aos fundamentos favoráveis, apesar do enfraquecimento do mercado de aço e dos temores de uma supervisão governamental mais rígida.

O minério de ferro mais negociado para janeiro na Dalian Commodity Exchange (DCE) da China encerrou o dia com alta de 1,68%, a 966,5 iuanes (132,46 dólares) a tonelada, um novo pico desde agosto de 2021.

O minério de ferro de referência de dezembro na Bolsa de Cingapura, que chegou a cair no início da sessão devido aos comentários hawkish do presidente do Federal Reserve, Jerome Powell, reverteu a tendência e subia 0,98%, a 128,05 dólares a tonelada -- o maior valor desde 20 de março.

A China implementará com firmeza as promessas de política do mercado imobiliário para atender às demandas habitacionais da população e promover o desenvolvimento de alta qualidade do setor, informou a mídia estatal no sábado, citando Ni Hong, ministro da Habitação e Desenvolvimento Urbano-Rural.

"Qualquer melhoria exigiria um reabastecimento substancial de matérias-primas, com as margens fracas pressionando as siderúrgicas a reduzir o estoque", disseram os analistas do banco ANZ em uma nota.

No entanto, os analistas permaneceram cautelosos com relação aos riscos crescentes de um possível endurecimento da supervisão do governo sobre o minério de ferro após uma alta nos preços.

O planejador estatal da China monitora de perto o mercado de minério de ferro e frequentemente avisa que intensificará sua supervisão em resposta aos rápidos aumentos de preços. Essas declarações normalmente esfriam o sentimento no mercado.

Os índices de referência do aço na Bolsa de Futuros de Xangai caíram de forma geral. O vergalhão ficou praticamente estável, a bobina laminada a quente recuou 0,35%, o fio-máquina caiu 0,25% e o aço inoxidável perdeu 2,1%.

"A demanda por aço nas regiões do norte enfraqueceu sazonalmente em meio a quedas bruscas de temperatura em muitas regiões da China, que entrou no inverno", disseram analistas da Galaxy Futures em uma nota.

Continua após a publicidade

(Reportagem de Amy Lv e Dominique Patton em Pequim)

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes