Zona do euro não deve reduzir reservas bancárias discricionárias, diz BCE

FRANKFURT (Reuters) - O crescimento econômico da zona do euro permanecerá fraco no curto prazo à medida que os serviços e o mercado de trabalho se enfraquecerem, mas as nações do bloco não devem liberar bancos de reservas discricionárias para aliviar os problemas, disse o vice-presidente do Banco Central Europeu, Luis de Guindos.

Alguns dos maiores países da zona do euro implementam os chamados "buffers" contracíclicos, uma medida que força os credores a reservarem mais capital durante períodos melhores, dinheiro que pode ser liberado quando o ciclo econômico mudar.

"As autoridades macroprudenciais devem preservar os 'buffers' de capital liberáveis para garantir que eles estejam disponíveis caso as condições do setor bancário se deteriorem", disse de Guindos em um discurso nesta segunda-feira.

A Alemanha e a França implementaram esses dispositivos este ano e a França planeja aumentá-los a partir do início do próximo ano, enquanto a Holanda anunciou planos para dobrá-los em maio próximo.

Uma preocupação em potencial é que a economia da zona do euro esteve estagnada durante todo o ano e qualquer recuperação no próximo ano será superficial, mantendo o crescimento abaixo de 1%.

"A atividade industrial mais fraca está se espalhando para os serviços", disse de Guindos. "É provável que a economia da zona do euro permaneça fraca no curto prazo."

Até mesmo o mercado de trabalho, o ponto positivo da economia do bloco, começou a mostrar sinais de enfraquecimento, acrescentou de Guindos.

O sofrimento econômico ocorre no momento em que o BCE elevou as taxas de juros a um nível recorde por meio de dez aumentos consecutivos, na esperança de desacelerar a demanda do consumidor e levar a inflação de volta à sua meta de 2%.

(Por Balazs Koranyi e Francesco Canepa)

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes

As mais lidas agora