Vendas no varejo dos EUA caem ligeiramente em outubro

WASHINGTON (Reuters) - As vendas no varejo dos EUA caíram em outubro, embora menos do que o esperado, depois de meses de fortes ganhos, apontando para a desaceleração da demanda, o que pode fortalecer ainda mais as expectativas de que o Federal Reserve não vai mais aumentar as taxas de juros.

As vendas no varejo caíram 0,1% no mês passado, informou o Departamento de Comércio nesta quarta-feira. Os dados de setembro foram revisados para cima, mostrando que as vendas aumentaram 0,9% em vez do aumento de 0,7% informado anteriormente. Economistas consultados pela Reuters haviam previsto que as vendas no varejo cairiam 0,3% no mês passado.

As vendas no varejo são principalmente de mercadorias e não são ajustadas pela inflação. O relatório veio após notícias de terça-feira de que os preços ao consumidor ficaram inalterados em outubro, pela primeira vez em mais de um ano. Esse dado, combinado à desaceleração do crescimento do emprego e dos salários, levou os economistas a concluir que o atual ciclo de aumento de juros do banco central dos EUA chegou ao fim.

Os mercados financeiros estão até mesmo prevendo um corte nas taxas em maio próximo, de acordo com a ferramenta FedWatch do CME Group. Desde março de 2022, o Fed aumentou sua taxa de juros overnight de referência em 525 pontos-base para a faixa atual de 5,25% a 5,50%.

A queda nas vendas no varejo ocorreu após meses de grandes ganhos e pode ser um sinal de que os consumidores estão sentindo as taxas de juros mais altas, com a maioria das famílias de baixa renda dependendo de cartões de crédito para financiar as compras depois de esgotar o excesso de poupança acumulado durante a pandemia da Covid-19.

Mas o Bank of America Institute disse em um relatório que ainda não havia sinais de que a retomada do pagamento de empréstimos estudantis estivesse afetando negativamente os gastos.

Excluindo automóveis, gasolina, materiais de construção e serviços de alimentação, as vendas no varejo aumentaram 0,2% em outubro. Os dados de setembro foram revisados para cima, mostrando que o núcleo das vendas no varejo aumentou 0,7%, em vez dos 0,6% informados anteriormente.

(Por Lucia Mutikani)

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes