UAW conquista acordos recordes com montadoras; mira sindicalização de Tesla e estrangeiras

Por David Shepardson e Joseph White

(Reuters) - O United Auto Workers, sindicato de trabalhadores do setor automobilístico nos EUA, informou nesta segunda-feira que 64% dos trabalhadores das três montadoras de Detroit votaram pela ratificação de novos contratos recordes após uma greve de seis semanas, enquanto o sindicato volta sua atenção para a sindicalização de fábricas de automóveis de propriedade estrangeira e da Tesla.

As votações consolidam os acordos provisórios do sindicato com a General Motors, Ford Motor e Stellantis até abril de 2028, que incluem aumento de 25% no salário base e elevará cumulativamente o salário mais alto em 33%, incluindo novos subsídios de custo de vida negociados.

Os acordos também reduziram o número de anos necessários para chegar ao salário máximo de oito para três anos, aumentarão o salário dos trabalhadores temporários em 150% e os tornarão funcionários permanentes, além de incluírem melhorias significativas na aposentadoria.

Há décadas, o sindicato vem tentando, sem sucesso, sindicalizar fábricas de automóveis operadas por montadoras estrangeiras. Nas últimas semanas, a Hyundai Motor, a Toyota Motor e a Honda Motor anunciaram que aumentariam os salários das fábricas nos EUA após o contrato com o sindicato.

O presidente do UAW, Shawn Fain, esteve em Washington na semana passada para realizar reuniões e discutir a estratégia de organização do sindicato e deverá apresentar mais detalhes nas próximas semanas.

"Agora, levamos nossa força de greve e nosso espírito de luta para o restante dos setores que representamos e para milhões de trabalhadores não sindicalizados prontos para se levantar e lutar por um modo de vida melhor", disse Fain nesta segunda-feira.

Ele disse à Reuters na semana passada que o sindicato estava recebendo manifestações de interesse em se sindicalizar por parte de muitos trabalhadores da Tesla. "Os trabalhadores da Tesla, Toyota, Honda e outros não são o inimigo -- eles são os membros do sindicato do futuro."

A Ford estimou que o novo contrato adicionará 850 a 900 dólares em custos de mão de obra por veículo.

Continua após a publicidade

"Felizmente, estamos no caminho certo para atingir os cronogramas de produção total nos próximos dias em nossas fábricas de montagem em Michigan, Kentucky e Illinois que foram afetadas durante a greve", disse o presidente-executivo da Ford, Jim Farley, nesta segunda-feira.

A presidente-executiva da GM, Mary Barra, disse que o acordo "protege o futuro da empresa e nos permite continuar a oferecer bons empregos em comunidades de todos os Estados Unidos". O chefe de fabricação da GM, Gerald Johnson, disse que "trabalharemos com cronogramas agressivos para o bem de nossos clientes"

O diretor de operações da Stellantis, Mark Stewart, disse que a empresa agora "concentrará toda a sua atenção na execução" de seu plano estratégico para 2030, que inclui o lançamento de oito novos veículos elétricos em 2024.

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes