EXCLUSIVO-Conselheiros do governo da China pedem manutenção de meta de crescimento em 2024 e mais estímulos

Por Kevin Yao

PEQUIM (Reuters) - Consultores do governo chinês recomendarão metas de crescimento econômico para o próximo ano que variam de 4,5% a 5,5% a uma reunião anual de autoridades, conforme Pequim busca criar empregos e manter as metas de desenvolvimento de longo prazo no caminho certo.

Cinco dos sete conselheiros que falaram com a Reuters disseram ser favoráveis a uma meta de cerca de 5%, igualando o objetivo deste ano. Um consultor proporá uma meta de 4,5%, enquanto o outro sugeriu uma faixa de 5,0 a 5,5%.

As propostas serão feitas no mês que vem na Conferência Central de Trabalho Econômico, realizada anualmente pelo Partido Comunista, que discute planos de políticas e as perspectivas da segunda maior economia do mundo.

Para atingir essas metas, Pequim precisaria aumentar o estímulo fiscal, disseram os consultores, uma vez que o crescimento deste ano foi lisonjeado pelo efeito de base dos lockdowns da Covid-19 do ano passado.

"Precisamos adotar uma política fiscal e monetária expansionista para estimular a demanda agregada", disse à Reuters Yu Yongding, economista do governo que defende uma meta de crescimento de aproximadamente 5%.

"A demanda de investimento corporativo não será forte, pois a confiança das empresas não se recuperou, portanto, precisamos expandir o investimento em infraestrutura", acrescentou Yu, que também defende um déficit orçamentário superior a 4% do PIB.

Os outros conselheiros falaram sob condição de anonimato devido à natureza fechada das discussões. Espera-se que os principais líderes endossem a meta na reunião de dezembro, embora ela não seja anunciada publicamente até a reunião anual do parlamento chinês, geralmente realizada em março.

Em outubro, a China divulgou um plano para emitir 1 trilhão de iuanes (139 bilhões de dólares) em títulos soberanos até o final do ano, elevando a meta de déficit orçamentário de 2023 para 3,8% do PIB, ante 3% almejados antes.

Continua após a publicidade

Os líderes chineses se comprometeram a "otimizar a estrutura da dívida dos governos central e local", sugerindo que o governo central tem espaço para gastar mais, já que sua dívida como parcela do PIB é de apenas 21%, muito abaixo dos 76% dos governos locais.

"Estamos intensificando o apoio à política fiscal", disse outro consultor, para tornar a "difícil" meta de 2024 "alcançável"

Espera-se que o estímulo monetário desempenhe um papel mais limitado, já que o banco central continua preocupado com o fato de que o aumento do diferencial da taxa de juros em relação ao Ocidente possa enfraquecer ainda mais o iuan e incentivar a saída de capital.

REFORMAS VERSUS ESTÍMULO

A economia da China cresceu apenas 3% em 2022, um de seus piores desempenhos em quase meio século. Uma pesquisa da Reuters em outubro mostrou que os economistas esperam que ela cresça 5,0% em 2023 e 4,5% em 2024, embora alguns tenham aumentado suas previsões desde então.

Em 2022, o presidente Xi Jinping apresentou uma visão de longo prazo de "modernização no estilo chinês" em uma importante reunião do partido, com a meta de dobrar a economia chinesa até 2035, o que, segundo os economistas do governo, exigiria um crescimento médio anual de 4,7%.

Continua após a publicidade

A recuperação vacilante pós-Covid fez com que muitos analistas pedissem reformas estruturais que desviassem os motores do crescimento econômico do investimento em propriedades e infraestrutura para o consumo das famílias e a alocação de recursos no mercado.

Se isso não for feito, alertam esses economistas, a China pode começar a flertar com a estagnação no estilo do Japão ainda nesta década.

Pequim tem tentado reduzir a dependência econômica em relação à propriedade, canalizando mais recursos para a manufatura de alta tecnologia e indústrias verdes, mas tem lutado para estimular o sentimento do consumidor e do investidor.

Especialistas acreditam que mudanças mais fundamentais, especialmente uma retomada das reformas orientadas para o mercado, são improváveis devido ao ambiente político, no qual o Estado aumentou seu controle sobre a economia, incluindo o setor privado.

"Se não houver consenso sobre as reformas, teremos que usar o estímulo para impulsionar o crescimento, mesmo que ele não seja sustentável", disse um terceiro conselheiro.

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes