Reino Unido reduz projeção de crescimento e ministro revela planos para impulsionar economia

LONDRES (Reuters) - A economia do Reino Unido crescerá de forma muito mais lenta nos próximos anos do que se pensava, disse nesta quarta-feira o ministro das Finanças, Jeremy Hunt, ao expor seus planos para acelerar a economia em um discurso sobre o orçamento.

A previsão é de que o Produto Interno Bruto cresça 0,7% em 2024, disse Hunt, muito mais fraco do que a previsão de uma expansão de 1,8% na perspectiva anterior publicada pelo órgão de controle orçamentário do governo em março.

O Escritório de Responsabilidade Orçamentária também previu que a produção econômica crescerá 1,4% em 2025 e 1,9% em 2026. Essas previsões são mais fracas do que as anteriores, de expansão de 2,5% e 2,1%, respectivamente.

A economia britânica tem enfrentado dificuldades com a inflação elevada e as últimas previsões do Escritório mostraram que o índice de preços ao consumidor deverá subir 2,8% no próximo ano, acima da previsão de março de 0,9%.

O primeiro-ministro, Rishi Sunak, prometeu esta semana cortes de impostos "responsáveis" para ajudar a economia, ciente da turbulência do "mini-orçamento" do ano passado nos mercados financeiros, desencadeada pelos planos de sua antecessora Liz Truss de cortes de impostos muito maiores.

Os jornais britânicos informaram que Hunt anunciará um corte nas contribuições dos trabalhadores para a seguridade nacional e a extensão permanente dos incentivos para estimular o investimento empresarial.

Sunak deve convocar uma eleição nacional em 2024, para a qual as pesquisas de opinião indicam vitória do Partido Trabalhista, de oposição.

No ano passado, Sunak e Hunt aumentaram drasticamente os impostos para conter o caos no mercado de títulos e estima-se que o atual Parlamento esteja a caminho de introduzir os maiores aumentos de impostos de qualquer legislatura do Reino Unido desde a Segunda Guerra Mundial.

A economia britânica tem sido sobrecarregada pela maior taxa de inflação entre seus pares dos países ricos, embora o ritmo de crescimento dos preços tenha diminuído de mais de 11% há pouco mais de um ano para 4,6% em outubro.

Continua após a publicidade

(Reportagem de David Milliken)

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes