Objetivos do Brasil no G20 dependem de fluxo maciço de recursos para o Sul Global, diz Haddad

BRASÍLIA (Reuters) - O ministro da Fazenda, Fernando Haddad, afirmou nesta quinta-feira que o cumprimento de objetivos socioambientais do Brasil na presidência do G20 dependerá de uma mobilização maciça de recursos internacionais, que devem fluir principalmente das economias avançadas para o chamado Sul Global, que reúne países em desenvolvimento.

Em discurso durante a instalação da Comissão Nacional do G20, que será presidido pelo Brasil, Haddad defende que o grupo promova uma “reglobalização” com foco em sustentabilidade e apresentou as prioridades do país para a trilha financeira da instituição, elaboradas em conjunto com o Banco Central.

“Será fundamental uma mobilização maciça de recursos internacionais, que devem vir principalmente do Norte para o Sul Global”, afirmou.

Entre as prioridades na área financeira, estarão redução da desigualdade, reforma de instituições financeiras internacionais, tributação justa e combate à evasão de recursos.

O ministro também citou a necessidade de haver “fluxo contínuo de recursos” para países de renda baixa e média, bem como uma solução para a dívida externa desses países.

No discurso, Haddad destacou desafios do ambiente internacional, como problemas climáticos, guerras, tensões geopolíticas e uma crise do multilateralismo que afeta instituições internacionais.

“Não estamos em uma quadra tranquila da história mundial”, afirmou.

Para ele, ou o mundo segue em trajetória de fragmentação e ampliação de protecionismo ou caminha para um novo formato de relação entre os países que coloque questões socioambientais no centro do debate.

“Estamos propondo que o Brasil lidere uma espécie de reglobalização sustentável dos pontos de vista social e ambiental”, disse.

Continua após a publicidade

(Por Bernardo Caram)

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes