Inflação acelera no Japão enquanto crescem apostas de que BC vai mudar o rumo

Por Tetsushi Kajimoto

TÓQUIO (Reuters) - O aumento do núcleo de preços ao consumidor do Japão acelerou ligeiramente em outubro, depois de ter diminuído no mês anterior, reforçando a opinião dos investidores de que a inflação persistente pode levar o banco central a reduzir o estímulo monetário em breve.

O núcleo do índice nacional de preços ao consumidor, que exclui os custos voláteis de alimentos frescos, aumentou 2,9% em outubro em relação ao ano anterior, mostraram dados do governo nesta sexta-feira, contra 3,0% esperados pelos economistas em uma pesquisa da Reuters.

O núcleo da inflação havia desacelerado para 2,8% em setembro, de 3,1% em agosto, a primeira vez que ficou abaixo de 3% desde agosto de 2022.

A taxa de inflação está acima da meta de inflação de 2% do banco central por 19 meses consecutivos, mas o Banco do Japão insistiu que as pressões de custo são em grande parte impulsionadas pelos preços mais altos das commodities globais e pelo iene mais fraco, e não um sinal de ganhos de preços sustentáveis liderados por uma demanda doméstica mais forte e crescimento salarial.

"Espero que o banco central acabe com as taxas de juros negativas e remova o controle de rendimento já em abril, quando eles virem os resultados das negociações salariais entre trabalhadores e gerentes e o movimento contínuo entre as empresas no sentido de repassar os custos", disse Yoshimasa Maruyama, economista-chefe de mercado da SMBC Nikko Securities.

O indicador mais restrito de inflação, ou núcleo do núcleo, que exclui os custos de alimentos frescos e combustíveis, subiu 4,0% no ano até outubro, desacelerando em relação ao avanço de 4,2% em setembro, mas permanecendo acima de 4,0% pelo sétimo mês consecutivo.

Muitos analistas consideram que a política de controle de rendimento está se tornando obsoleta, já que o banco central tornou a meta de rendimento de 10 anos cada vez mais flexível, fazendo com que o rendimento do título se aproxime de 1%.

Com as pressões inflacionárias parecendo mais persistentes do que o esperado, cresce a especulação de que o Banco do Japão poderá em breve ter que abandonar sua política de taxas de juros negativas, bem como o controle da curva de rendimentos, que estabelece um limite de 0% para o rendimento dos títulos de 10 anos.

Continua após a publicidade

O banco central afastou essa especulação, dizendo que a atual inflação global impulsionada pelos custos não é sustentável. Ele afirma que é necessário um crescimento saudável dos salários para estimular a demanda interna e os preços de forma estável e sustentável.

(Reportagem adicional de Takahiko Wada)

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes