Petróleo cai, mas registra ganho semanal antes da decisão da Opep+

Por Laura Sanicola

(Reuters) - O preço do petróleo registrou queda nesta sexta-feira, com a libertação de alguns reféns em Gaza reduzindo o prêmio de risco geopolítico, mas os preços registraram sua primeira semana de ganhos em mais de um mês antes da reunião da Opep+ da próxima semana para decidir sobre os cortes de produção em 2024.

Os contratos futuros do petróleo Brent caíram 0,84 dólar, ou 1%, a 80,58 dólares por barril, enquanto o petróleo WTI caiu 1,56 dólar, ou 2%, em relação ao fechamento de quarta-feira, para 75,54 dólares. Não houve liquidação para o WTI na quinta-feira, devido ao feriado de Ação de Graças nos EUA.

O primeiro grupo de reféns libertados do cativeiro em Gaza retornou a Israel na sexta-feira, no primeiro dia de uma trégua planejada de quatro dias, durante a qual deverão ocorrer outras trocas de reféns por detentos palestinos.

"O fato de eles terem seguido adiante foi significativo para reduzir o prêmio de risco", disse John Kilduff, sócio da Again Capital LLC, em Nova York.

Ambos os contratos tiveram seu primeiro ganho semanal em cinco semanas, já que a Opep+ se prepara para uma reunião que terá os cortes de produção como prioridade na agenda, após as recentes quedas do preço devido a preocupações com a demanda e o aumento da oferta, principalmente de produtores não pertencentes à Opep.

O grupo Opep+, composto pela Organização dos Países Exportadores de Petróleo e aliados, incluindo a Rússia, surpreendeu o mercado na quarta-feira ao adiar sua reunião do dia 26 para 30 de novembro, depois que os produtores tiveram dificuldades para chegar a um consenso sobre os níveis de produção.

A Opep+ se aproximou de um acordo com os produtores de petróleo africanos sobre os níveis de produção para 2024, disseram três fontes da Opep+ à Reuters.

"O resultado mais provável agora parece ser uma extensão dos cortes existentes", disse o analista do IG, Tony Sycamore.

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes