Americanas diz que conseguiu apoio de Itaú, Bradesco, Santander Brasil e BTG

SÃO PAULO (Reuters) - A Americanas anunciou nesta segunda-feira que conseguiu de parte dos principais bancos credores da companhia apoio vinculante para o plano de recuperação judicial da empresa, além de crédito deste grupo de 1,5 bilhão de reais.

A companhia afirmou que o grupo, chamado pela empresa de "credores apoiadores", representa mais de 35% de sua dívida e é formado por Bradesco, BTG Pactual, Itaú Unibanco e Santander Brasil. Representantes dos bancos não comentaram o assunto de imediato.

Outros interessados seguem em diálogo com a empresa, o que pode elevar o apoio de maneira vinculante para mais de 50% da dívida, afirmou a companhia.

Às 10h31, as ações da Americanas exibiam alta de 2,7%, a 1,13 real, enquanto o Ibovespa tinha oscilação negativa de 0,02%.

A assembleia de credores da Americanas está marcada para 19 de dezembro.

"Este acordo é um marco importante de nosso processo de recuperação judicial e um significativo progresso da Americanas no caminho para a nossa meta de emergir como uma empresa mais forte", disse o presidente-executivo da Americanas, Leonardo Coelho, em comunicado à imprensa.

Além dos quatro bancos anteriores, a lista de credores financeiros da Americanas inclui Banco do Brasil e Safra.

A Americanas afirmou que os credores que manifestaram apoio concordaram em "dar suporte" e a votarem favoravelmente ao plano de recuperação.

A companhia afirmou que conseguiu assegurar na negociação com os bancos garantia-firme para uma linha de fianças bancárias ou seguros-garantia num volume de 1,5 bilhão de reais, disponível por dois anos da conclusão das etapas de reestruturação, ou até o encerramento da recuperação judicial, o que ocorrer primeiro.

Continua após a publicidade

Os bancos que oferecerem esse seguro fiança terão "acesso prioritário" a uma parcela de 1,5 bilhão de um pagamento antecipado de 6,7 bilhões de reais previsto no plano.

A Americanas afirmou que o plano inclui ainda aumento de capital de 12 bilhões de reais pelo trio de bilionários que são "acionistas de referência" da companhia -- Jorge Paulo Lemann, Carlos Alberto Sicupira e Marcel Telles -- e outros 12 bilhões pelos próprios credores, mediante conversão de dívidas em ações.

A rede de varejo, que sucumbiu sob o peso de 50 bilhões de reais em dívidas após um dos maiores escândalos contábeis da história do país, também prevê no plano uma bonificação para as ações a serem emitidas. A cada três novos papéis emitidos, haverá um bônus de subscrição, cujo preço de exercício será de 1 centavo de real.

A Americanas também prevê no plano 2 bilhões de reais para pagamento de credores financeiros por meio de mecanismo de leilão reverso. Além disso, a empresa reserva 6,7 bilhões de reais aos credores que optarem por receber antecipadamente, mas com forte desconto. Neste montante está incluído o acesso prioritário dos credores que ofereceram 1,5 bilhão de reais em crédito à empresa.

Ao final do processo, a Americanas sustenta que sua dívida bruta será de 1,875 bilhão de reais.

(Por Alberto Alerigi Jr.)

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes