Sindicato UAW inicia tentativa de organizar Tesla e "todo o setor automotivo não sindicalizado" dos EUA

Por David Shepardson

WASHINGTON (Reuters) - O sindicato dos trabalhadores da indústria automotiva dos Estados Unidos (UAW) disse nesta quarta-feira que está começando sua primeira operação para organizar publicamente todo o setor não sindicalizado do país, após conseguir novos acordos com as três grandes montadoras de Detroit.

O UAW, sediado em Detroit, afirmou que trabalhadores em 13 montadoras não sindicalizadas estavam anunciando campanhas ao redor do país para aderir ao sindicato, incluindo na Tesla, Toyota, Volkswagen, Hyundai, Rivian, Nissan, BMW e Mercedes-Benz.

Essas fabricantes empregam quase 150.000 trabalhadores em suas fábricas norte-americanas, mais ou menos o mesmo que as Três Grandes de Detroit, com as quais o UAW acabou de assinar novos acordos trabalhistas, disse o sindicato.

"A todos os funcionários da indústria automotiva trabalhando sem os benefícios de um sindicato, agora é a vez de vocês", disse o presidente do UAW, Shawn Fain, em um vídeo publicado em um site que convoca os trabalhadores a assinarem cartões eletrônicos buscando representação sindical.

"O dinheiro existe. O momento é este", acrescentou. "Vocês não têm que se preocupar em como pagarão o aluguel ou alimentarão sua família enquanto as empresas faturam bilhões. Existe a possibilidade de uma vida melhor".

Os acordos do UAW com General Motors, Ford Motor e Stellantis incluíram um aumento na base salarial de 25% até 2028, um corte do tempo necessário para atingir o maior patamar salarial de oito para três anos, aumento de pagamentos para funcionários temporários de 150% e uma transição para se tornarem funcionários permanentes.

Outras montadoras sob a mira do sindicato incluem Honda, Subaru, Mazda, Lucid e Volvo Cars.

Um porta-voz da Subaru disse que a montadora japonesa "consistentemente demonstrou um compromisso em fazer a coisa certa para os seus associados de maneira proativa".

Continua após a publicidade

Representantes de Toyota, Rivian e Volkswagen se recusaram a comentar e outras montadoras não foram encontradas em um primeiro momento.

O presidente norte-americano, Joe Biden, apoiou este mês a tentativa do UAW de sindicalizar outras montadoras. "Eu quero esse tipo de contrato para todos os trabalhadores da indústria automotiva e tenho a sensação de que o sindicato tem um plano para isso", disse ele em um evento com Fain.

O novo site do sindicato ecoa as críticas do grupo contra as Três Grandes de Detroit durante as negociações de contrato, incluindo menções a lucros corporativos e salários dos CEOs.

O site pede que os trabalhadores da Tesla se juntem ao sindicato, dizendo que o CEO "Elon Musk é o homem mais rico do mundo, com patrimônio de 230 bilhões de dólares. A produção dos EUA mais do que duplicou desde 2020, as vendas da Tesla estão bombando. A questão é: os trabalhadores da Tesla receberão a parcela que merecem?".

(Reportagem de David Shepardson em Washington)

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes