Ford estima custo de acordo trabalhista em US$8,8 bi e reduz previsão de lucro do ano

Por Nathan Gomes

(Reuters) - A Ford estimou nesta quinta-feira o custo de um novo acordo trabalhista em 8,8 bilhões de dólares e juntou-se à rival General Motors ao reduzir a sua previsão de lucro para o ano devido à perda de produção por uma prolongada greve nas suas fábricas nos Estados Unidos.

O acordo com o sindicato United Auto Workers (UAW), alcançado após semanas de negociações tensas, acrescentará cerca de 900 dólares em custos trabalhistas por veículo até 2028. A Ford disse que trabalhará para compensar isso cortando custos em outros lugares.

A montadora agora espera lucro ajustado antes de juros e impostos (Ebit) de 10 bilhões e 10,5 bilhões de dólares para 2023, abaixo de sua previsão anterior de 11 bilhões a 12 bilhões de dólares anunciada em julho.

“À primeira vista, a previsão parece encorajadora”, escreveu Itay Michaeli, analista do Citi, em nota.

A previsão inclui  1,7 bilhão de dólares em lucros perdidos com a greve, que a Ford também estimou que levou a cerca de 100 mil unidades a menos nas vendas de veículos no atacado.

A perspectiva da Ford surge um dia depois de a GM ter dito que os seus novos acordos com o UAW e o sindicato canadense Unifor lhe custarão 9,3 bilhões de dólares até 2028. A GM também anunciou 10 bilhões de dólares em recompras de ações e um aumento de 33% nos dividendos.

A Ford foi a primeira das Três Grandes montadoras de Detroit a chegar a um acordo provisório com o UAW depois de quase seis semanas de greves que levaram milhares de trabalhadores a fazerem uma greve e a aderirem a piquetes nos Estados Unidos, exigindo melhores salários e benefícios.

(Reportagem de Nathan Gomes, em Bengaluru)

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes