Pesquisa do BC do Japão destaca tensões no mercado de títulos por política monetária ultrafrouxa

Por Leika Kihara

TÓQUIO (Reuters) - O esquema de compras maciça de ativos do Banco do Japão, introduzido em 2013, levou a uma deterioração acentuada no funcionamento dos mercados de títulos do país, que continuou a piorar após a adoção do controle da curva de rendimentos, segundo uma pesquisa do banco central com os participantes do mercado divulgada nesta sexta-feira.

As constatações destacam as tensões que a prolongada política monetária superfrouxa do banco central infligiu à liquidez do mercado na terceira maior economia do mundo, e ocorre em meio ao aumento das expectativas do mercado de que o Banco do Japão está começando a considerar um fim das taxas de juros ultrabaixas.

A pesquisa especial, que se somou a uma pesquisa trimestral regular sobre o funcionamento dos mercados de títulos, foi realizada como parte de uma análise abrangente que o banco central japonês está conduzindo sobre o impacto de suas medidas de flexibilização monetária não convencional de 25 anos sobre a economia e os mercados financeiros.

Um índice de difusão que mede como os participantes do mercado viam o funcionamento do mercado de títulos piorou acentuadamente para 5 após a adoção do afrouxamento quantitativo e qualitativo (QQE) pelo Banco do Japão em abril de 2013, em comparação com 62 antes de sua introdução, segundo a pesquisa.

O índice piorou ainda mais, para -48, após a introdução de taxas de juros negativas em janeiro de 2016, e para -71 após a adoção do controle da curva de juros, segundo a pesquisa.

"Vejo que o maior problema é a posse de títulos do governo japonês pelo banco central. Ele possui cerca de 50% dos títulos, o que é muito alto. O mercado não se recuperará a menos que essa proporção caia para perto de 10%", disse Katsutoshi Inadome, estrategista sênior da Sumitomo Mitsui Trust Asset Management.

O ex-presidente do banco central Haruhiko Kuroda implantou o QQE em abril de 2013, com o objetivo de tirar o público de uma mentalidade deflacionária com a impressão pesada de dinheiro e aumentar a inflação para a meta de 2% do banco.

Depois que a enorme compra de títulos começou a secar a liquidez do mercado, o Banco do Japão empurrou as taxas de juros de curto prazo para território negativo em janeiro de 2016. Em seguida, adotou o controle da curva em setembro de 2016, que limita o rendimento dos títulos de 10 anos em torno de zero.

Continua após a publicidade

Com a inflação excedendo a meta de 2% do Banco do Japão por mais de um ano, muitos participantes do mercado esperam que o presidente atual, Kazuo Ueda, comece a desmontar o programa de estímulo maciço de seu antecessor no próximo ano.

Ueda já iniciou o processo. O banco central ajustou o controle da curva em julho e outubro para relaxar seu controle sobre os rendimentos de longo prazo e permitir que os movimentos dos títulos fossem mais impulsionados pelas forças do mercado. Também reduziu duas vezes no mês passado os valores da oferta de compra de títulos para alguns vencimentos.

O rendimento do título de 10 anos se moveu em uma faixa de 0,24% a 0,97% até o momento este ano, mais ampla do que a faixa de 40 pontos-base entre 0,08% e 0,48% em 2022.

Com o controle da curva de rendimentos já atenuado, muitos participantes do mercado esperam que o Banco do Japão encerre as taxas de juros negativas em janeiro ou abril do próximo ano. O banco central se reunirá para uma revisão da política monetária em 18 e 19 de dezembro.

Ao se tornar presidente em abril, Ueda anunciou seu plano de realizar uma revisão abrangente para examinar os prós e contras das várias medidas não convencionais de flexibilização monetária do banco central.

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes

As mais lidas agora