Powell diz que Fed deve agir "com cuidado" em meio a riscos "mais equilibrados"

ATLANTA (Reuters) - Os riscos de o Federal Reserve ir longe demais com os aumentos da taxa de juros e desacelerar a economia norte-americana mais do que o necessário tornaram-se "mais equilibrados" em relação àqueles de não agir o suficiente para controlar a inflação, disse o chair do Fed, Jerome Powell, nesta sexta-feira, em comentários reafirmando a intenção do Fed de ser cauteloso nas suas próximas decisões.

Observando que uma medida importante de inflação ficou em média em 2,5% durante os seis meses até outubro, perto da meta de 2%, Powell disse que está claro que a política monetária do Fed está desacelerando a economia como esperado, com uma taxa básica "bem em território restritivo".

"É provável que todos os efeitos do nosso aperto ainda não tenham sido sentidos. A contundência da nossa resposta à inflação também ajudou a manter a credibilidade duramente conquistada do Fed, garantindo que as expectativas do público sobre a inflação futura permaneçam bem ancoradas", disse Powell em comentários preparados para evento da faculdade Spelman.

"Tendo chegado tão longe tão rapidamente, o (Comitê Federal de Mercado Aberto) está avançando com cuidado, à medida que os riscos de apertar pouco ou muito estão se tornando mais equilibrados."

Powell reiterou, tal como outras autoridades do Fed também o fizeram nas últimas semanas, que ainda é muito cedo para declarar que a luta contra a inflação terminou, com os preços subindo 3,0% em base anual pela medida preferida do banco central dos EUA.

“Estamos preparados para apertar ainda mais a política monetária se for apropriado”, disse ele.

Mas as suas falas refletem também uma maior confiança de que a taxa de juros atual, na faixa de 5,25% a 5,5%, pode ser adequada para finalizar o trabalho. O Fed se reunirá nos dias 12 e 13 de dezembro e deverá manter a taxa básica pela terceira reunião consecutiva.

Powell disse que as autoridades do Fed ainda consideram que a incerteza nas perspectivas econômicas é "excepcionalmente elevada" -- um fator em sua insistência de que os juros ainda podem ter que subir.

Mas ele também disse que as bases gerais do esperado pouso suave parecem estar se encaixando, com o mercado de trabalho ainda forte mesmo com o crescimento das despesas e da produção em desaceleração e as pressões sobre os preços diminuindo.

Continua após a publicidade

“Meus colegas e eu prevemos que o crescimento dos gastos e da produção irá abrandar durante o próximo ano, à medida que os efeitos da pandemia e da reabertura perdem força e à medida que a política monetária restritiva pesa sobre a demanda agregada”, disse Powell.

"O ritmo em que a economia está criando novos empregos permanece forte, e tem desacelerado em direcção a um nível mais sustentável... O crescimento dos salários continua elevado, mas tem gradualmente evoluído para níveis que seriam mais consistentes com uma inflação de preços de 2% ao longo do tempo, e os salários reais estão crescendo novamente à medida que a inflação diminui."

(Reportagem de Howard Schneider)

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes