China diz que cúpula com líderes da UE discutirá questões econômicas globais

Por Liz Lee

PEQUIM (Reuters) - Uma cúpula China-União Europeia será realizada na quinta-feira em Pequim, informou o Ministério das Relações Exteriores da China nesta segunda-feira, onde os líderes de ambos os lados discutirão questões estratégicas e econômicas globais de interesse comum.

"A China e a Europa são parceiras, não rivais... nossos interesses comuns superam em muito nossas diferenças", disse o porta-voz do Ministério das Relações Exteriores, Wang Wenbin, em uma coletiva de imprensa regular.

O presidente chinês Xi Jinping se reunirá com o presidente do Conselho Europeu, Charles Michel, e com a presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, disse Wang.

"Exploraremos maneiras de resolver problemas por meio de diálogo e consultas", disse Wang, acrescentando que "cooperaremos para enfrentar os desafios globais e injetar novo ímpeto no mundo e aumentar a estabilidade na situação internacional".

A cúpula ocorre após várias reuniões de alto nível entre a UE e a China em Pequim nos meses que antecederam a cúpula, buscando encontrar pontos em comum em suas complexas relações.

Em meados deste ano, o bloco europeu se comprometeu a reduzir a dependência da China e debateu como encontrar um equilíbrio entre a "eliminação de riscos" e a cooperação em áreas como a mudança climática.

Em setembro, a UE concordou em estabelecer mecanismos de solução de controvérsias quando seu Comissário de Comércio Valdis Dombrovskis visitou Pequim, menos de duas semanas depois que a Comissão Europeia lançou uma investigação sobre a possibilidade de impor tarifas punitivas sobre as importações de veículos elétricos chineses mais baratos para proteger os produtores da UE.

No mês seguinte, o principal diplomata da UE, Josep Borrell, disse às autoridades chinesas que Bruxelas levava a China a sério e esperava o mesmo em questões geopolíticas e comerciais.

Continua após a publicidade

No mês passado, a China disse que permitirá temporariamente viagens sem visto para cidadãos de alguns países, incluindo França, Alemanha, Itália e Holanda.

Embora as conversas tenham se concentrado principalmente no comércio, na economia e na política, o diretor da Human Rights Watch na UE, Philippe Dam, pediu a Michel e Von der Leyen que pressionassem a China em questões de violação de direitos humanos.

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes