Fed tenta manter opções em aberto, sem antecipar um possível corte nos juros

Por Howard Schneider

WASHINGTON (Reuters) - As autoridades do Federal Reserve parecem ter encerrado sua campanha de aumentos de juros, mas ainda possuem o desafio iminente de quando e como sinalizar uma mudança para cortes que investidores, políticos e o público podem exigir antes que o banco central esteja pronto.

A questão pode parecer distante. Um indicador de inflação subjacente permanece em 3,5% ao ano, significativamente acima da meta de 2% do Fed, as autoridades ainda se preocupam com o ressurgimento das altas dos preços em uma economia de baixo desemprego e a sua retórica aponta mais para um platô prolongado dos juros ou até mesmo para outro aumento.

No entanto, a inclinação "hawkish" (agressiva contra a inflação) em suas palavras também é uma forma de manter as opções em aberto em um momento de incerteza, mesmo que as perspectivas tenham tornado as autoridades do Fed cada vez mais confiantes de que a faixa da taxa de juros de 5,25% a 5,5%, em vigor desde julho, é suficiente para tirar um pouco do vapor da economia e reduzir a inflação até o fim.

Decidir que a inflação caiu o suficiente para começar a reduzir os juros pode ser uma questão de meses, com as complicações de uma eleição presidencial no próximo ano, mercados financeiros inquietos e esperanças de limitar qualquer aumento na taxa de desemprego.

O primeiro passo para esse debate ocorrerá na última reunião do ano do Fed, nos dias 12 e 13 de dezembro, quando, além de decidir o que fazer com os juros, as autoridades deverão definir para onde acham que eles provavelmente se dirigirão no próximo ano e nos anos seguintes.

"Eles terão um momento realmente difícil em dezembro", pois as projeções provavelmente mostrarão o fim dos aumentos de juros, mas as autoridades não querem que isso seja interpretado como um enfraquecimento de seu compromisso com a inflação de 2% ou como um sinal de que os cortes são iminentes", disse Vincent Reinhart, economista-chefe da Dreyfus & Mellon e ex-autoridade do Fed.

Desde junho, o "gráfico de pontos" trimestral das projeções das autoridades sobre a trajetória apropriada da política monetária tem mostrado os juros subindo mais 0,25 ponto percentual neste ano.

Espera-se que, na próxima semana, o Fed mantenha os juros inalterados pela terceira reunião consecutiva e, em uma nova declaração, façam um balanço dos dados que, em grande parte, estão alinhados com um "pouso suave", na qual a atividade econômica e o crescimento do emprego desaceleram modestamente à medida que a inflação diminui constantemente.

Continua após a publicidade

Um desafio será conciliar essa avaliação com o desejo das autoridades de manter uma opção aberta para novos aumentos se a inflação não se comportar como esperado.

Ainda mais revelador deve ser o fato de que, como aconteceu em setembro, as projeções atualizadas provavelmente mostrarão que os juros serão mais baixos até o final de 2024, concentrando a atenção na questão de que o próximo movimento mais provável é uma redução da taxa e desencadeando um debate sobre quando isso será apropriado.

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes