Taxas futuras têm alta firme após 5 sessões com avanço dos yields dos Treasuries

Por Fabricio de Castro

SÃO PAULO (Reuters) - Após completar na sexta-feira a quinta sessão consecutiva de baixa, as taxas dos DIs fecharam esta segunda-feira em alta firme no Brasil, em meio a um movimento de correção de preços e ao avanço dos rendimentos dos Treasuries no exterior.

Na sexta-feira, os comentários do chair do Federal Reserve, Jerome Powell, sobre a inflação nos Estados Unidos, considerados mais amenos pelo mercado financeiro, fizeram as taxas dos DIs (Depósitos Interfinanceiros) fecharem em baixa. Foi o quinto recuo consecutivo.

Nesta segunda-feira, porém, a postura dos investidores era mais cautelosa, tanto no exterior quanto no Brasil.

“Os (rendimentos dos) Treasuries estão operando em alta, e há um pouco de correção em relação à sexta-feira. Não vi razão para o mercado terminar a sessão de sexta em tom tão positivo e isso me surpreendeu, porque o Powell foi cauteloso”, disse o estrategista-chefe do Banco Mizuho, Luciano Rostagno.

A expectativa antes da divulgação de uma bateria de dados nos EUA nesta semana também influenciava o avanço dos yields dos títulos dos EUA, o que favorecia a alta global do dólar e o recuo das bolsas de ações. No Brasil, as taxas dos contratos futuros de juros subiram 15 pontos-base em alguns vencimentos.

Nos EUA, a curva de juros seguia projetando manutenção da taxa básica pelo Federal Reserve na faixa de 5,25% a 5,50% em dezembro, com chances do início do ciclo de cortes em março no próximo ano.

Na terça-feira, saem nos EUA os dados do PMI de serviços e o relatório JOLTS de empregos, além do Produto Interno Bruto (PIB) do Brasil no terceiro trimestre. Na sexta-feira serão divulgados os números do relatório de empregos payroll nos EUA, cujos números serão checados com lupa pelos investidores.

Perto do fechamento desta segunda-feira a curva a termo no Brasil precificava em 97% as chances de o corte da Selic na próxima semana ser de 0,50 ponto percentual, como vem sinalizando o BC. As chances de corte de apenas 0,25 ponto percentual estavam em 3%. Atualmente, a Selic está em 12,25% ao ano.

Continua após a publicidade

No fim da tarde a taxa do DI para janeiro de 2025 estava em 10,335%, ante 10,28% do ajuste anterior, enquanto a taxa do DI para janeiro de 2026 estava em 10,02%, ante 9,911% do ajuste anterior. A taxa para janeiro de 2027 estava em 10,165%, ante 10,02%.

Entre os contratos mais longos, a taxa para janeiro de 2028 estava em 10,435%, ante 10,289%. O contrato para janeiro de 2031 marcava 10,87%, ante 10,716%.

Durante a tarde, o presidente do BC, Roberto Campos Neto, participou de uma transmissão ao vivo da instituição, mas não tratou especificamente do futuro da política monetária. Ele afirmou que o BC tem visões sobre políticas macroeconômica e financeira que vão além do mandato de um governo.

"O Banco Central conseguiu manter um trabalho técnico o tempo todo, conseguiu claramente mostrar à sociedade que é um órgão técnico, que tem uma visão de política monetária de política macroeconômica e da parte de estabilidade financeira que vai muito além de um mandato de governo", disse.

Às 16:38 (de Brasília), o rendimento do Treasury de dez anos --referência global para decisões de investimento-- subia 6,40 pontos-base, a 4,2876%.

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes