Perspectiva global de energia eólica é afetada por fraqueza dos EUA e lentidão da China, diz consultoria

(Reuters) - O setor global de energia eólica terá um aumento de capacidade na próxima década menor do que o esperado anteriormente devido a problemas financeiros na indústria eólica offshore dos Estados Unidos e à lentidão na aprovação e execução de projetos na China, afirmou a consultoria Wood Mackenzie nesta terça-feira.

A Orsted, maior desenvolvedora de parques eólicos offshore do mundo, os gigantes da energia BP e a norueguesa Equinor registraram centenas de milhões de dólares em prejuízos em seus portfólios de energia eólica offshore nos EUA, citando custos crescentes de financiamento e atrasos no fornecimento.

A Wood Mackenzie reduziu em 29 gigawatts (GW) a sua previsão para a capacidade global de energia eólica até ao final de 2032, reduzindo a capacidade instalada acumulada para 2,35 terawatts.

O rebaixamento representa uma mudança de menos de 2% na capacidade esperada, com mais de 80% do corte decorrente de ventos contrários, inclusive em mercados importantes como os Estados Unidos e a China.

“Os fundamentos do mercado de longo prazo permanecem fortes globalmente, apesar dos desafios de curto prazo na execução de projetos na China e na maturação do mercado offshore nos EUA”, disse Luke Lewandowski, vice-presidente de Pesquisa Global de Energias Renováveis da Wood Mackenzie, em um comunicado.

O cancelamento pela Orsted do seu projeto Ocean Wind em Nova Jersey e os problemas da cadeia de abastecimento deverão fazer com que cerca de 8 GW de projetos offshore nos EUA fiquem para além de 2032, disse a WoodMac. Isso significa que os Estados Unidos atingirão cerca de metade do seu objetivo de instalar 30 GW de energia eólica offshore até 2030.

A WoodMac disse que as dificulades de curto prazo de um mercado lento de projetos chinês devido a requisitos de licença mais rígidos e cancelamentos de projetos levaram à redução de 12 GW na previsão de capacidade eólica global, mas as perspectivas eólicas onshore da China de 2026 a 2032 permaneceram inalteradas, apesar dos desafios de curto prazo. 

(Reportagem de Anushree Mukherjee e Deep Vakil em Bengaluru)

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes