Bancos de Wall Street alertam parlamentares sobre custo econômico de novas regras

Por Pete Schroeder e Michelle Price e Lananh Nguyen

WASHINGTON (Reuters) - Os presidentes dos maiores bancos dos Estados Unidos, JPMorgan, Morgan Stanley, Goldman Sachs e de outras importantes instituições financeiras do país alertaram na quarta-feira durante audiência no Senado norte-americano que o aumento nas exigências de capital e outras novas regras prejudicarão o crédito e a economia.

O setor bancário vem empreendendo uma campanha feroz para eliminar a proposta "Basel endgame", que reformula a forma como os bancos devem calcular seu capital de reserva para perdas, e à medida que os órgãos reguladores implementam normas sobre empréstimos justos e limites de juros, entre outras regras.

Os presidentes dos bancos esperavam usar a audiência como uma oportunidade para convencerem os senadores democratas moderados de que a regra da Basileia, que está sendo liderada pelo Federal Reserve, podea sufocar os empréstimos, prejudicandopequenas empresas e consumidores.

A reunião rapidamente tornou-se uma batalha de narrativas, com muitos democratas lançando ceticismo sobre as reclamações do setor e acusando-os de enfatizar demais os riscos, enquanto os republicanos e os líderes dos bancos enfatizaram o possível impacto adverso em uma série de produtos e serviços, desde empréstimos verdes, cobertura de commodities e serviços de planos de pensão até a liquidez do mercado de Treasury.

"Se for promulgada conforme redigida, essa proposta alterará fundamentalmente a economia dos EUA de maneiras que o Federal Reserve não estudou nem contemplou", disse Jamie Dimon, presidente-executivo do maior banco do país, o JPMorgan, em seu depoimento preparado.

"Muitos empréstimos se tornam não lucrativos", disse Dimon mais tarde, citando financiamentos para para energia solar, eólica e comunitária.

Ainda assim, a audiência, que se tornou um evento anual em Washington, foi muito menos contenciosa do que nos anos anteriores, com momentos de leveza e humor. Até mesmo a senadora democrata Elizabeth Warren, que no passado criticou os chefes de Wall Street em questões como fraude de pagamentos e juros de cheque especial, adotou uma postura suave.

Os outros presidentes de bancos que compareceram foram: Brian Moynihan, do Bank of America,, Charles Scharf, do Wells Fargo,, David Solomon, do Goldman Sachs, James Gorman, do Morgan Stanley, Ronald O'Hanley, do State Street,, e Robin Vince, do BNY Mellon,.

Continua após a publicidade

Gorman criticou enfaticamente a regra proposta como "totalmente desnecessária" e, mais tarde, como "sem sentido" para um setor já inundado de dinheiro e sujeito a uma série de regulamentações rigorosas.

O senador Sherrod Brown, democrata de Ohio que preside o Comitê, criticou os bancos por fazerem um lobby agressivo contra as regras, inclusive com várias campanhas publicitárias públicas.

Os bancos exageraram o impacto potencial adverso das regras em uma tentativa de preservar suas margens de lucro, acrescentou. Quando pressionado por Brown para saber se todos os bancos poderiam atender ao capital extra exigido pela regra, todos os oito indicaram que sim.

"O que seus bancos querem é maximizar os lucros trimestrais, o custo de tudo e todos os outros que se danem", disse Brown aos executivos.

Os órgãos reguladores afirmam que os aumentos de capital são necessários para proteger o sistema bancário de choques imprevistos, especialmente após o colapso do Silicon Valley Bank e de dois outros bancos regionais no início deste ano.

"Os preisidentes dos grandes bancos reclamaram dos requisitos de capital, assim como fizeram com as proteções da Dodd-Frank", escreveu Brown em uma declaração após a audiência. "Regras rígidas, como as exigências de capital, protegem os trabalhadores, os contribuintes e nossa economia, impedindo que os grandes bancos assumam riscos excessivos sem o capital necessário para evitar crises financeiras e resgates."

Continua após a publicidade

Os chefes de Wall Street foram apoiados pelos republicanos do comitê, que geralmente se opõem a regulamentações rígidas. O senador Tim Scott, o principal republicano do painel, fez eco às preocupações dos bancos, dizendo que as regras propostas podem ter um "impacto devastador" sobre as pequenas empresas.

O senador Mike Rounds, republicano de Dakota do Sul, perguntou aos executivos se as regulamentações poderiam prejudicar compradores de casas, fazendeiros e proprietários de pequenas empresas, o que fez com que todos os oito levantassem a mão.

Os presidentes de grandes bancos têm comparecido ao Congresso há vários anos, depois que a crise financeira de 2007-2009 e os escândalos subsequentes colocaram o setor na mira de Washington.

Embora raramente resultem em legislação, as audiências levaram os bancos a fazerem mudanças. Em 2021, Dimon foi levado a uma discussão acalorada com Warren sobre juros de cheque especial, enquanto no ano passado ela o questionou sobre fraudes na rede de pagamentos bancários Zelle. Posteriormente, os grandes bancos reduziram os juros do cheque especial e ampliaram as proteções contra fraudes na Zelle.

Este ano, no entanto, em vez de atacar os executivos, Warren os alistou em sua tentativa de reprimir o setor de criptomoedas. Ela está promovendo um projeto de lei que estenderia as regras bancárias existentes de combate à lavagem de dinheiro para o setor de moedas digitais. Quando perguntados se os executivos apoiavam o objetivo de seu projeto de lei, todos disseram com entusiasmo que sim.

"Não costumo andar de mãos dadas com os presidentes de bancos multibilionários, mas isso é uma questão de segurança nacional. Terroristas, traficantes de medicamentos e nações desonestas devem ser impedidos de usar criptomoedas para suas atividades perigosas", disse.

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes