Presidente do BC japonês se reúne com primeiro-ministro e explica foco em salários e demanda

Por Leika Kihara e Tetsushi Kajimoto

TÓQUIO (Reuters) - O presidente do Banco do Japão (BOJ, na sigla em inglês), Kazuo Ueda, disse nesta quinta-feira que informou ao primeiro-ministro Fumio Kishida que o banco central examinará a força da demanda doméstica e as perspectivas salariais para o próximo ano ao orientar a política monetária.

Embora a reunião tenha sido uma troca regular de opiniões, realizada aproximadamente uma vez a cada trimestre, ela ocorreu num momento de aumento das expectativas do mercado de que o BOJ em breve sairá de décadas de taxas de juros ultrabaixas.

"Expliquei que o BOJ espera verificar se os salários aumentarão de forma sustentável, inclusive no próximo ano, se os salários mais altos aumentarão os preços dos serviços e a força da demanda doméstica", disse Ueda aos repórteres após a reunião com Kishida, quando perguntado se ele falou sobre a estratégia de saída da política monetária ultrabaixa.

Antes da reunião, Ueda disse ao parlamento que o Banco do Japão enfrentará uma situação "ainda mais desafiadora" no final do ano e no início de 2024, quando questionado por um parlamentar sobre a economia e a orientação da política monetária.

Ele também disse que o banco central tem várias opções quanto às taxas de juros a serem almejadas assim que retirar os custos de empréstimos de curto prazo do território negativo.

"Poderíamos manter a taxa de juros aplicada às reservas (de instituições financeiras estacionadas no banco central) ou voltar a uma política que tenha como meta a taxa de juros overnight", disse Ueda.

"Há várias opções. Mas ainda não tomamos uma decisão sobre a taxa de juros a ser adotada quando encerrarmos nossa política de taxa de juros negativa", disse ele ao parlamento.

Atualmente, o BOJ aplica uma taxa de 0,1% sobre um pequeno conjunto de reservas de acordo com sua política de taxa de juros negativa, que foi implementada em 2016 para manter os custos de empréstimos ultrabaixos.

Continua após a publicidade

Com a inflação excedendo a meta de 2% do BOJ há mais de um ano, muitos participantes do mercado esperam que o banco elimine gradualmente seu estímulo maciço no próximo ano, com alguns apostando em uma mudança em janeiro.

"Se manteremos as taxas de curto prazo em zero ou as moveremos para 0,1%, e a que velocidade elevaremos as taxas para 0,25% ou 0,50%, dependerá das condições econômicas e financeiras no momento", disse Ueda.

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes