Dólar passa a subir após relatório de emprego dos EUA surpreender para cima

Por Luana Maria Benedito

SÃO PAULO (Reuters) - O dólar passou a subir nesta sexta-feira, mostrando alguma instabilidade depois que um relatório de emprego norte-americano visto como crucial para a trajetória de política monetária do Federal Reserve veio mais forte do que o esperado.

Às 11:05 (horário de Brasília), o dólar à vista avançava 0,37%, a 4,9272 reais na venda.

Na B3, às 11:05 (horário de Brasília), o contrato de dólar futuro de primeiro vencimento subia 0,25%, a 4,9355 reais.

O crescimento do emprego nos Estados Unidos acelerou em novembro e a taxa de desemprego caiu para 3,7%, mesmo com mais pessoas entrando na força de trabalho. Cerca de 199 mil vagas de trabalho foram criados fora do setor agrícola no mês passado, informou o Departamento do Trabalho norte-americano, contra expectativa em pesquisa da Reuters de saldo de 180 mil.

"De volta ao 'good news, bad news (boas notícias são más notícias, em português'", comentou Rafaela Vitoria, economista-chefe do banco Inter.

"Bons dados da economia com reação negativa do mercado... O Fed deve manter os juros, mas com discurso mais 'hawkish' (duro no combate à inflação) na reunião da próxima quarta."

Na semana que vem, o Fed realiza seu último encontro de política monetária do ano, com ampla expectativa de que deixará os juros estacionados na faixa atual de 5,25% a 5,50%. Agora, o foco dos investidores é tentar determinar quando o banco central dos EUA começará a cortar a taxa básica.

Após a surpresa para cima nos dados de emprego desta sexta-feira, operadores de futuros atrelados à taxa básica do Fed reduziram as apostas de que os cortes de juros começarão em março, e agora veem como mais provável que o afrouxamento fique para maio.

Continua após a publicidade

Juros mais altos nos Estados Unidos costumam beneficiar o dólar, conforme investidores redirecionam recursos para o mercado de renda fixa norte-americano, considerado extremamente seguro. Por outro lado, sinais de que o Fed poderia começar a abrandar sua posição em breve tendem a impulsionar divisas mais arriscadas, mas comparativamente mais rentáveis, como o real e seus pares emergentes.

Na véspera, o dólar à vista fechou o dia cotado a 4,9088 reais na venda, em alta de 0,13%.

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes