Argentina anuncia taxa oficial de câmbio de 800 pesos por dólar e corte de gastos

(Reuters) - O novo governo argentino liderado pelo libertário Javier Milei anunciou nesta terça-feira uma série de medidas ortodoxas para lidar com uma grave crise financeira, incluindo um corte drástico de gastos e uma desvalorização de 54% do peso.

Em um contexto de inflação anual próxima dos 150% e de pobreza de 40% da população, o governo disse também que vai cortar os subsídios aos transportes e à energia, além de reduzir drasticamente as obras públicas para eliminar o déficit fiscal.

A taxa de câmbio oficial passará de 365,5 pesos por dólar no fechamento desta terça-feira para 800 pesos por dólar, informou o ministro da Economia, Luis Caputo, em mensagem gravada que foi divulgada nas redes sociais.

“Vamos ficar piores durante alguns meses do que antes, especialmente em termos de inflação”, disse Caputo.

“Se continuarmos como estamos, não tenham dúvidas de que iremos para a hiperinflação”, acrescentou.

Com a pobreza a 40%, Caputo anunciou que o governo vai aumentar os gastos em programas de assistência social para aliviar a situação dos segmentos mais vulneráveis da população.

Ele destacou ainda que o governo irá substituir o atual sistema de aprovação de importações e avançará na eliminação de impostos sobre as exportações, numa tentativa de melhorar o fluxo comercial do país, que sofre atualmente com a escassez de divisas.

O governo Milei, que assumiu a Presidência no domingo após derrotar o peronismo no segundo turno, também reduzirá ao mínimo as transferências discricionárias de fundos nacionais para as províncias.

Nesta terça-feira, o mercado de ações argentino voltou a subir, com investidores aguardando os anúncios.

Continua após a publicidade

(Reportagem de Nicolás Misculin e Eliana Raszewski)

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes