Fed deve deixar os juros inalterados até maio após alta leve da inflação

(Reuters) - Operadores preveem que o Federal Reserve adiará qualquer corte na taxa básica de juros até pelo menos maio do próximo ano, depois que um relatório do governo dos Estados Unidos nesta terça-feira mostrou que os preços ao consumidor voltaram a subir inesperadamente em novembro.

Os contratos futuros vinculados à taxa de juros do Fed agora refletem apostas de que o banco central dos EUA reduzirá a taxa de juros para uma faixa de 5% a 5,25% em maio, com novos cortes no final do ano.

Antes do relatório, que mostrou que o índice de preços ao consumidor subiu 0,1% no mês passado em relação a outubro, investidores estavam mais convencidos de que o arrefecimento da inflação permitiria que o Fed encerrasse o período de juros inalterados mais cedo. Porém, após o relatório, eles reduziram a chance de quase 50% de um corte nos custos de empréstimos em março para cerca de 40%.

"Depois de todas as esperanças e conversas sobre cortes nos juros de curto prazo, o relatório do índice de preços ao consumidor de hoje é um pouco desanimador", disse Seema Shah, estrategista-chefe global da Principal Asset Management.

Os formuladores de política monetária do Fed se reúnem nesta terça e na quarta-feira para sua última reunião do ano, e a expectativa é de que todos deixem os juros na faixa de 5,25% a 5,5%. Eles também publicarão projeções que mostrarão suas próprias opiniões sobre a provável trajetória futura dos custos de empréstimos.

(Reportagem de Ann Saphir)

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes