Governo alemão manterá limite para dívida no orçamento de 2024

Por Maria Martinez e Andreas Rinke

BERLIM (Reuters) - A Alemanha planeja retornar a um limite de novos empréstimos líquidos em 2024, disse o chanceler Olaf Scholz nesta quarta-feira, depois que os partidos da coalizão chegaram a um acordo orçamentário após um mês de negociações turbulentas que viu uma decisão judicial desorganizar seus planos.

Scholz disse que o chamado "freio da dívida" poderia ser suspenso novamente se a Ucrânia, lutando contra uma invasão russa, precisar de mais financiamento do que os 8 bilhões de euros reservados no orçamento.

"O governo está cumprindo suas metas", disse o chanceler, do Partido Social-Democrata (SPD), em uma coletiva de imprensa com o ministro das Finanças, Christian Lindner, do Partido Liberal Democrático (FDP), e o ministro da Economia, Robert Habeck, dos Verdes.

Ao anunciar 17 bilhões de euros em cortes no orçamento de 2024, ele disse que a decisão do tribunal constitucional de 15 de novembro significa que o governo terá que atingir seus objetivos com menos dinheiro.

"Faremos isso abolindo os subsídios que prejudicam o clima, reduzindo ligeiramente as despesas de departamentos individuais e reduzindo os subsídios federais", disse Scholz.

Ele disse que um fundo climático e de transformação, criado para ajudar as empresas da maior economia da Europa na transição para práticas mais ecológicas, será reduzido em 12 bilhões de euros em 2024 e em 45 bilhões de euros no planejamento financeiro até 2027.

O fundo, que apoia iniciativas como tornar os edifícios mais eficientes em termos de energia e subsidiar a produção de eletricidade renovável e de chips, ainda terá um volume total de 160 bilhões de euros, disse Scholz.

Isso deve tranquilizar as empresas depois que as principais promessas de gastos ecológicos foram congeladas pelo governo quando sua iniciativa de realocar 60 bilhões de euros da dívida pandêmica não utilizada para um fundo climático e de transformação foi considerada inconstitucional.

Continua após a publicidade

Scholz disse que o apoio à Ucrânia continuará, depois que a crise orçamentária levantou dúvidas sobre a quantidade de ajuda militar que Berlim estava disposta a conceder.

O governo de Scholz se comprometeu a dobrar o apoio a Kiev para 8 bilhões de euros no próximo ano, em comparação com o ano atual. Haverá 6 bilhões de euros adicionais para os refugiados ucranianos.

O restabelecimento do freio da dívida para 2024 é uma vitória para Lindner, que insistiu nesse ponto durante semanas de negociações orçamentárias. A decisão judicial forçou o governo a suspender a regra por mais um ano em 2023, após as emergências da Covid-19 e a crise energética que se seguiu à invasão da Ucrânia pela Rússia.

Scholz e Habeck buscaram outra suspensão em 2024 -- a quinta consecutiva -- para evitar cortes de gastos que poderiam afetar os benefícios sociais e o investimento na transição verde.

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes