Mercados recebem com otimismo cauteloso medidas da Argentina para consertar a economia

Por Libby George

LONDRES (Reuters) - Os mercados receberam com cautela os primeiros detalhes dos planos do presidente Javier Milei para colocar a economia da Argentina de volta nos trilhos.

Seu governo assumiu o poder com promessas de mudanças econômicas drásticas para lidar com as reservas negativas, inflação acima de 100% e anos de estagnação econômica.

Os títulos subiram à medida que os investidores se animaram com as mudanças reveladas na terça-feira pelo ministro da Economia, Luis Caputo, incluindo um corte de mais de 50% na taxa oficial do peso, redução dos subsídios à energia e cancelamento de licitações de obras públicas.

"As notícias são positivas", disse o especialista em Argentina Bruno Gennari, da KNG Securities. "Trata-se de um esforço fiscal maciço, com cortes de gastos ... e 2,2% de receitas adicionais."

Os títulos soberanos internacionais em dólar ganharam mais de 2 centavos e as ações da empresa petrolífera estatal argentina YPF listadas nos EUA subiram cerca de 1% nas negociações de pré-abertura.

O FMI, que anteriormente havia endurecido sua visão sobre o estado de seu programa de 44 bilhões de dólares com a Argentina, também saudou as mudanças "ousadas" que, segundo o órgão, podem ajudar a estabilizar a economia e estimular o crescimento.

Jimena Blanco, analista-chefe da Verisk Maplecroft, disse que o governo está tentando amenizar um colapso econômico que, de outra forma, estaria garantido.

"Ele prometeu uma pílula muito difícil de engolir e está entregando essa pílula", disse ela. "A questão é quanto tempo durará a paciência da população em termos de esperar que a situação econômica mude."

Continua após a publicidade

Em uma nota, o banco Barclays disse que a "governabilidade" das reformas seria o principal desafio, pois elas poderiam acelerar drasticamente a inflação e provocar uma recessão.

A Argentina tem controlado artificialmente o peso desde 2019, criando uma grande lacuna entre a taxa de câmbio oficial, que estava em 366 por dólar antes do anúncio de Caputo de que passaria para 800, com planos para uma desvalorização mensal de 2%.

As taxas paralelas estavam um pouco acima de 1.000 por dólar nesta semana.

Caputo também revelou um corte de 2,9% do PIB nos gastos do governo, sendo que quase 1 ponto percentual desse corte virá de cortes nos subsídios de energia e transporte, e delineou alguns novos impostos.

(Reportagem adicional de Bansari Mayur Kamdar em Bangalore e Rodrigo Campos em Nova York)

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes