Brasil caminha para 6 milhões de turistas estrangeiros e receita recorde de R$34 bi, diz governo

Por Rodrigo Viga Gaier

RIO DE JANEIRO (Reuters) - O Brasil deve atrair em 2023 mais de 6 milhões de turistas estrangeiros e pode igualar ou superar a receita recorde de 34 bilhões de reais no setor em um ano, disseram nesta quinta-feira o ministro do Turismo, Celso Sabino, e o presidente da Embratur, Marcelo Freixo.

Os números representam altas significativas em relação ao ano passado, quando foram recebidos 3,6 milhões de turistas estrangeiros e a receita gerada com o setor foi de 24 bilhões de reais, de acordo com dados do governo federal.

No acumulado até setembro, a receita com turistas estrangeiros alcançou 25 bilhões de reais, e ainda faltam ser contabilizados os números do último trimestre.

“Esperamos mais de 106 milhões de brasileiros viajando pelo Brasil, mais de 6 milhões de estrangeiros e mais de 30 bilhões de reais gastos aqui este ano“, disse Sabino, destacando que as perspectivas para os próximos anos "são ainda melhores e citando a maior promoção internacional do Brasil como chamariz para atrair turistas.

Segundo o ministro, esforços estão sendo feitos para melhorar os indicadores. "Recebemos 6 milhões de turistas, mas é um consenso que é algo muito pequeno em relação ao mundo e às nossas potencialidades. Nosso esforço é grande para mudar esse cenário“, disse.

Segundo Freixo, da Embratur, a expectativa é chegar dentro de dois anos a8 milhões de turistas estrangeiros por ano. "É possível que a gente iguale ou supere os 34 bilhões (de reais) de 2014“, disse ele, mencionando o ano em que o Brasil sediou a Copa do Mundo.

Sabino e Freixo inauguram nesta quinta o primeiro escritório da Organização Mundial do Turismo (OMT) para a região das Américas e Caribe, no Rio de Janeiro, cidade que tem enfrentado uma recente onda de casos de violência, inclusive em pontos turísticos, como a praia de Copacabana.

“Eventos de violência acontecem nas cidades turísticas do mundo... não quero tapar o sol com a peneira, mas esse é um problema do mundo todo e não temos problemas bélicos, climáticos. O cotidiano do Rio é de paz e não de quem vive assombrado ou com medo de ser assassinado”, disse Sabino.

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes