Manifestantes indígenas interrompem audiência sobre ferrovia de grãos na Amazônia

BRASÍLIA (Reuters) - Manifestantes indígenas tentaram impedir, nesta sexta-feira, uma audiência pública sobre a construção de uma ferrovia que deverá passar por suas terras para transportar grãos até um porto no norte da Amazônia.

A ferrovia Ferrogrão, com 1.000 km de extensão, é apoiada por agricultores e empresas de grãos que afirmam que ela reduziria a dependência de estradas e diminuiria os custos de transporte de soja do Mato Grosso para os portos fluviais na bacia amazônica.

Mas as comunidades indígenas Munduruku e Kayapó afirmam que não foram consultadas sobre o projeto, que tem impactos sobre o meio ambiente e o desmatamento na região.

Cerca de 100 manifestantes segurando faixas bloquearam a entrada da audiência em Novo Progresso, no sul do Estado do Pará, mas a reunião finalmente começou quando os manifestantes deixaram o prédio, mostraram vídeos nas redes sociais publicados pelos participantes.

"A ferrovia é um projeto de desenvolvimento que vai ser bom para todo mundo," disse um de seus principais apoiadores, o senador Zequinha Marinho (Podemos-PA), aos manifestantes.

Liderando o protesto estava Alessandra Munduruku, vencedora do Goldman Environmental 2023 por seus esforços para impedir o desenvolvimento da mineração na Amazônia e proteger a floresta tropical.

"A gente não tem como deixar acontecer uma audiência que vai contra nosso território. Estamos preocupados pelo futuro de nossas crianças," disse Alessandra Munduruku à Reuters por telefone.

"O povo está preocupado com a mudança climática, mas o Congresso está preocupado em lucrar com nossas terras", acrescentou, em referência à votação parlamentar da véspera que derrubou o veto do presidente Luiz Inácio Lula da Silva ao marco temporal para demarcação de terras indígenas.

A decisão sobre o estabelecimento ou não de prazo para reivindicações de terras será agora decidida pelo Supremo Tribunal Federal (STF).

Continua após a publicidade

Em agosto, em uma decisão sobre a Ferrogrão, o STF manteve a suspensão de um plano governamental para reduzir o tamanho de um parque de conservação florestal para permitir a construção da ferrovia, enquanto novos estudos são esperados.

A ferrovia foi projetada para ligar o porto de Mirituba, no Pará, ao município de Sinop, no Mato Grosso.

(Reportagem de Anthony Boadle)

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes