Por que as terríveis previsões do Fed para 2023 não se concretizaram

Por Howard Schneider

WASHINGTON (Reuters) - O Federal Reserve começou 2023 com uma nota sombria, com autoridades chamando uma recessão nos EUA de "plausível". Os formuladores de política monetária previram um crescimento próximo à velocidade de estagnação e um aumento do desemprego como os custos para conter a inflação com aumentos rápidos da taxa básica de juros.

Mas o banco central dos Estados Unidos termina o ano registrando um progresso mais rápido do que o esperado na inflação, que ocorreu praticamente sem aumento na taxa de desemprego e com uma economia que cresceu cinco vezes mais rápido do que os 0,5% previstos pelas autoridades há um ano. Os cortes nos juros estão agora mais próximos.

A pandemia despejou trilhões de dólares em auxílio nas mãos dos consumidores, estimulando a demanda que atingiu um obstáculo, à medida que a cadeia de suprimentos de bens globais ficou paralisada por essa mesma pandemia. A escassez de produtos industriais básicos, como chips de computador, manteve os estoques vazios e permitiu que o aumento dos preços racionasse o que estava disponível.

Este ano, as pressões sobre a oferta foram reduzidas à medida que os estoques se recompunham, talvez em excesso. Os preços dos produtos começaram a arrastar a inflação para baixo, como acontecia com frequência antes da pandemia.

A oferta de mão de obra também surpreendeu positivamente. O aumento da força de trabalho e a queda nas vagas de emprego ajudaram a desacelerar o crescimento dos salários que, segundo alguns economistas, estava prestes a elevar a inflação.

Embora o fluxo de ajuda pandêmica possa ter ajudado a elevar os preços devido à alta demanda, os amortecedores financeiros criados pelas famílias e pelos governos locais tiveram mais poder de permanência do que muitos economistas esperavam. Em 2023, muito depois do fim dos programas de benefícios da pandemia, ainda havia estimativas de centenas de bilhões de dólares para gastar.

Isso se refletiu nos gastos dos consumidores, que consistentemente superaram as expectativas. Embora dados recentes sugiram que a demanda finalmente começou a desacelerar, a surpreendente resiliência dos gastos das famílias foi um dos principais motivos pelos quais as previsões iniciais de crescimento do Fed se mostraram baixas.

Em todas as circunstâncias, esse salto inesperadamente forte no Produto Interno Bruto deve ser inflacionário. O Fed estima que o potencial de crescimento subjacente da economia esteja em torno de 1,8% ao ano, portanto, a expansão estimada de 2,6% para 2023 parece fora de controle.

Continua após a publicidade

A taxa de desemprego atual é de 3,7%, contra 3,6% quando o Fed começou a aumentar os juros. Ela está abaixo de 4% há 22 meses, o maior período desde a década de 1960, e aproximadamente o que prevalecia pouco antes da pandemia, um período que Powell relembra com frequência.

Uma surpresa final é o quanto a rodada de falências bancárias da primavera norte-americana se mostrou contida após o rápido colapso do Silicon Valley Bank. Certamente houve estresse. Mas ele não evoluiu para uma crise mais ampla e permaneceu alinhado com o que o Fed estava tentando fazer de qualquer maneira: apertar o crédito para esfriar a economia.

A inflação no último semestre foi de apenas 2,5%, com fortes argumentos para que ela continue caindo.

Nos documentos de política divulgados mais recentemente pelo Fed, as autoridades fizeram uma declaração sutil sobre sua fé no retorno da economia ao normal. Um índice de sentimento de risco caiu em direção a uma visão mais equilibrada, com a inflação sendo vista por várias autoridades como mais provável de ceder mais rapidamente do que de subir.

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes