BC do Japão mantém política monetária ultrafrouxa e dá poucas dicas sobre saída

Por Leika Kihara e Tetsushi Kajimoto

TÓQUIO (Reuters) - O Banco do Japão manteve a política monetária ultrafrouxa nesta terça-feira, em um movimento amplamente esperado, já que o banco central optou por aguardar mais evidências sobre se os salários e os preços subirão o suficiente para justificar uma mudança no forte estímulo monetário.

O banco central também não fez nenhuma alteração em sua orientação de política monetária , frustrando as expectativas de alguns operadores de que ajustaria a linguagem para sinalizar um fim no curto prazo às taxas de juros negativas.

O presidente do Banco do Japão, Kazuo Ueda, disse que os preços e os salários parecem estar se movendo na direção certa, com os sindicatos e as grandes empresas sinalizando a chance de ganhos salariais sustentados no próximo ano. Mas ele alertou que as condições permanecem incertas.

"A chance de a tendência da inflação acelerar em direção à nossa meta de preços está aumentando gradualmente", disse Ueda em uma coletiva de imprensa após a reunião. "Mas ainda precisamos examinar se um ciclo positivo de inflação e salários se concretizará."

Na reunião de dois dias que terminou nesta terça-feira, o banco central manteve sua meta de taxa de juros de curto prazo em -0,1% e a meta para o rendimento dos títulos de 10 anos em torno de 0%. Também deixou inalterada a promessa de aumentar o estímulo "sem hesitação", se necessário.

O Japão tem visto a inflação se manter acima de 2% por mais de um ano e algumas empresas sinalizaram sua disposição de continuar aumentando os salários, aumentando a chance de que o banco central finalmente abandone seu status de exceção entre os bancos centrais globais.

Mais de 80% dos economistas entrevistados pela Reuters em novembro esperam que o Banco do Japão encerre sua política de taxas negativas no próximo ano, com metade deles prevendo abril como o momento mais provável. Alguns veem a chance de uma mudança de política em janeiro.

Ueda não deu nenhum sinal claro sobre quando o Banco do Japão poderia sair das taxas negativas, mas disse que "não haverá muitos dados chegando" entre agora e a próxima reunião de política monetária em 22 e 23 de janeiro.

Continua após a publicidade

Ele também disse que o banco central não se apressará em aumentar as taxas só porque o Federal Reserve pode começar a reduzi-las em breve.

"Obviamente, estou sempre pensando em vários cenários sobre como poderíamos mudar a política monetária quando certas condições se encaixarem", disse Ueda.

"Mas a incerteza sobre as perspectivas é extremamente alta e ainda não prevemos que a inflação atingirá nossa meta de forma sustentável e estável. Dessa forma, é difícil mostrar agora com um alto grau de certeza como podemos sair."

(Reportagem adicional de Kantaro Komiya e Kentaro Sugiyama)

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes