Boeing deve entregar primeiro Dreamliner na China desde 2021, diz fonte

(Reuters) - A Boeing deve reiniciar as entregas de seu 787 Dreamliner para a China dentro de alguns dias, disse uma fonte à Reuters, uma medida que pode abrir caminho para que o país asiático também acabe com um congelamento de mais de quatro anos nas entregas do 737 MAX.

A Juneyao Airlines, uma companhia aérea chinesa de propriedade privada, receberá em Xangai um novo 787 Dreamliner, disse a fonte familiarizada com o assunto. Ele poderá decolar já nesta quinta-feira, disse.

O reinício das entregas do MAX representaria uma retomada do relacionamento da Boeing com a China e seria um benefício financeiro maior que permitiria à empresa se livrar de dezenas de aviões em seu estoque. A entrega do Dreamliner também é vista como um possível avanço para futuras entregas e pedidos.

Os pedidos e entregas de aviões da Boeing na China estão em grande parte suspensos desde 2019, depois que dois acidentes fatais com o 737 MAX em 2018 e 2019 fizeram com que o MAX ficasse em solo em todo o mundo em 2019.

Os analistas esperavam a retomada das entregas do Dreamliner para a China depois que a consultoria AAP/AIR informou neste mês as atividades de voo preparatório para um 787 designado para a Juneyao Airlines, registrado como B-20EQ.

Doze dos 60 aviões 787s não entregues no inventário da Boeing são dedicados a operadoras chinesas, informou a Jefferies na terça-feira.

A entrega do 787 pode ser um precursor da retomada das entregas do 737 MAX e do retorno da normalização das relações comerciais entre a Boeing e a China, que estão tensas desde a crise do MAX, segundo analistas.

O veículo The Air Current disse na quarta-feira que a Boeing obteve este mês uma autorização importante do órgão regulador de aviação da China, a Administração de Aviação Civil da China (CAAC), permitindo que a fabricante de aviões preparasse as aeronaves MAX para entrega.

As proibições de segurança foram suspensas, pois os aviões MAX existentes estão voando dentro da China, mas as novas entregas continuam suspensas.

Continua após a publicidade

"Continuamos apoiando nossos clientes na China e estaremos prontos para entregá-los quando chegar a hora", disse a Boeing em respostas separadas às notícias da Juneyao e à reportagem da Air Current.

(Por Sophie Yu em Pequim; Kanishka Singh, Costas Pitas e Valerie Insinna em Washington)

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes