Haddad confirma limitação em 100% do juro acumulado do crédito rotativo

Por Fabricio de Castro

(Reuters) - O ministro da Fazenda, Fernando Haddad, afirmou nesta quinta-feira que o Conselho Monetário Nacional (CMN) confirmou o teto de 100% para os juros cobrados no rotativo do cartão de crédito, conforme definido em lei aprovada pelo Congresso.

“Hipoteticamente, suponha que uma pessoa contrate uma dívida de 1 mil reais no cartão de crédito e não pague. Ela estaria sujeita a quase 500%... 450% de juros, no ano”, citou Haddad, em entrevista a jornalistas na portaria do ministério, em Brasília. “Hoje (com essa medida), isso não vai poder exceder 100%”, completou.

Haddad pontuou que, com isso, a dívida do rotativo não poderá aumentar mais do que o valor original da própria dívida.

“O juro acumulado do rotativo tem uma trava, tem um teto, que é de 100%, ou seja, exatamente no valor da dívida”, disse.

De acordo com Haddad, continuarão a valer as regras normais do cartão de crédito, do rotativo, sendo que a única mudança será justamente a limitação dos juros.

“Pelo menos, (agora) temos um limitador daquilo que parecia aos olhos da população muito abusivo”, acrescentou.

(Por Fabrício de Castro, em São Paulo)

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes