CORREÇÃO-Pedidos de auxílio-desemprego nos EUA caem; PIB no 3º tri é revisado para baixo

(Corrige o 5º parágrafo pra dizer que os pedidos caíram, e não subiram)

WASHINGTON (Reuters) - O número de norte-americanos que entraram com novos pedidos de auxílio-desemprego teve leve alta na semana passada, sugerindo uma força subjacente na economia à medida que o ano se encerra.

Os pedidos iniciais de auxílio-desemprego aumentaram em 2.000 na semana encerrada em 16 de dezembro, para 205.000 em dado com ajuste sazonal, informou o Departamento do Trabalho na quinta-feira. Economistas consultados pela Reuters previam 215.000 pedidos para a última semana.

Embora os dados de pedidos de auxílio sejam voláteis nessa época do ano por causa dos feriados, eles permanecem consistentes com um mercado de trabalho razoavelmente saudável, que deve manter a economia longe de uma recessão no próximo ano.

Uma pesquisa do Conference Board na quarta-feira mostrou que a parcela de consumidores que consideram os empregos abundantes foi a maior em cinco meses em dezembro.

Os dados de pedidos de auxílio cobriram a semana durante a qual o governo pesquisou empresas para seu relatório de dezembro de trabalho fora do setor agrícola. Os pedidos de auxílio caíram ligeiramente entre os períodos da pesquisa, de novembro e dezembro.

A economia criou 199.000 empregos em novembro, abaixo da média mensal de 240.000 no último ano, mas acima dos 150.000 abertos em outubro.

O Federal Reserve manteve as taxas de juros na semana passada e as autoridades de política monetária sinalizaram, em novas projeções econômicas, que o aperto histórico da política monetária realizado nos últimos dois anos está no fim e que 2024 terá custos de empréstimos mais baixos.

Desde março de 2022, o banco central dos EUA aumentou sua taxa básica de juros em 525 pontos base, para a faixa atual de 5,25% a 5,50%.

Continua após a publicidade

Em um relatório separado nesta quinta-feira, o governo confirmou que o crescimento econômico acelerou no terceiro trimestre.

O Produto Interno Bruto cresceu a uma taxa anualizada de 4,9% no último trimestre, em dado revisado para baixo em relação ao ritmo de 5,2% informado anteriormente, disse o Departamento de Comércio em sua terceira estimativa do PIB do terceiro trimestre.

Esse ainda foi o ritmo de expansão mais rápido desde o quarto trimestre de 2021. Economistas esperavam que não houve revisão.

A economia, que cresceu 2,1% no segundo trimestre, tem se expandido a um ritmo muito acima do que as autoridades do Fed consideram como a taxa de crescimento não inflacionária de cerca de 1,8%. No entanto, o ímpeto parece ter se esvaído nos últimos três meses do ano, à medida que os gastos dos consumidores diminuem.

Espera-se também que o crescimento seja afetado por um déficit comercial mais amplo e por um ritmo mais lento de formação de estoques em relação ao terceiro trimestre.

No entanto, o ritmo de crescimento provavelmente continua sendo suficiente para evitar uma recessão, com as vendas no varejo aumentando inesperadamente em novembro e o início de construções de moradias unifamiliares e as licenças de construção atingindo recordes de 1 ano e meio.

Continua após a publicidade

As estimativas de crescimento para o quarto trimestre variam de 1,1% a 2,7%.

(Reportagem de Lucia Mutikani)

((Tradução Redação São Paulo, 55 11 5047 2984)) REUTERS CMO

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes