Wall Street inicia reta final de 2023 em alta, com perspectiva de cortes nos juros

Por Stephen Culp

NOVA YORK (Reuters) - As ações norte-americanas ampliaram sua recuperação nesta terça-feira, dando início à última semana de 2023 com expectativas de que o Federal Reserve começará a cortar as taxas de juros já em março.

Todos os três principais acionários dos EUA subiram, com volume fraco de negócios, e o S&P 500 atingiu seu nível intradiário mais alto desde janeiro de 2022. Todos os três índices estão no caminho para ganhos mensais, trimestrais e anuais.

As ações megacap sensíveis à taxa de juros e as ações de chips lideraram o impulso de alta.

"O momentum continua sendo de alta", disse Peter Cardillo, economista-chefe de mercado da Spartan Capital Securities, em Nova York, observando, no entanto, que uma forte alta era improvável em um pregão de volume fraco.

"Tivemos um bom número de inflação na sexta-feira. Se a inflação continuar a cair em janeiro e fevereiro, há uma boa chance de que o Fed possa cortar (as taxas) antes do previsto."

O S&P 500 está a caminho de registrar seu maior ganho trimestral em três anos, e está a 0,5% de seu recorde histórico de fechamento, atingido em janeiro de 2022.

A recuperação de oito semanas das ações foi acelerada há duas semanas, depois que o Fed sinalizou o fim de seu ciclo de aumento das taxas e abriu a porta para possíveis cortes nas taxas em 2024.

Os mercados consideravam uma probabilidade de 72,7% de uma redução de 25 pontos-base no juro básico do Fed já em março, de acordo com a ferramenta FedWatch da CME.

Continua após a publicidade

O Dow Jones Industrial Average subiu 0,43%, para 37.545,33 pontos, o S&P 500 ganhou 0,42%, para 4.774,75 pontos e o Nasdaq Composite avançou 0,54%, para 15.074,57 pontos.

Todos os 11 principais setores do S&P 500 terminaram no verde.

As ações do setor de energia tiveram o maior ganho percentual, impulsionadas pelo aumento dos preços do petróleo, uma vez que os conflitos no Oriente Médio aumentaram as preocupações com a oferta, enquanto o otimismo em relação aos cortes nas taxas do Fed alimentou as esperanças do lado da demanda.

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes