Petróleo caminha para terminar 2023 com queda de 10% após 2 anos de alta

Por Nicole Jao

NOVA YORK (Reuters) - Os futuros do petróleo caíram ligeiramente nesta sexta-feira, em meio a uma fraca atividade no último dia de negociação do ano.

Ambos os contratos de referência terminaram 2023 com queda de cerca de 10%, após dois anos de ganhos, uma vez que as preocupações geopolíticas e os cortes na produção de petróleo levaram a grandes flutuações nos preços.

Os futuros do Brent caíram 0,11 dólar, a 77,04 dólares o barril. Os futuros do petróleo West Texas Intermediate dos EUA (WTI) caíram 0,12 dólar, para 71,65 dólares o barril.

Os preços do petróleo caíram acentuadamente na quinta-feira, com algumas companhias de navegação afirmando que iriam retomar rotas por meio do Mar Vermelho, aliviando as preocupações com a oferta. Grandes empresas tinham parado de usar as rotas do Mar Vermelho depois que o grupo militante houthi do Iêmen começou a atacar navios.

No entanto, alguns petroleiros e com produtos refinados ainda optam pela rota mais longa em torno de África para evitar potenciais conflitos na região.

As tensões geopolíticas no Oriente Médio continuaram a apoiar os preços. Na sexta-feira, Israel intensificou os seus ataques no sul de Gaza.

"Veremos uma volatilidade contínua à medida que avançamos para 2024 com os acontecimentos geopolíticos e o receio de que o conflito possa se espalhar por toda a região", disse Andrew Lipow, presidente da Lipow Oil Associates.

Dados divulgados nesta sexta-feira pela Administração de Informação de Energia dos EUA (AIE), que mostraram uma forte demanda por petróleo em outubro, também ofereceram algum apoio aos preços, disse o analista do UBS, Giovanni Staunovo.

Continua após a publicidade

A demanda total por petróleo nos EUA aumentou 3,4% em outubro em relação ao ano anterior, disse o relatório.

A produção de petróleo dos EUA caiu ligeiramente em outubro, para 13,248 milhões de barris por dia, depois de ter estabelecido recordes mensais em agosto e setembro.

Os cortes de produção por parte da Organização dos Países Exportadores de Petróleo e dos aliados liderados pela Rússia, grupo conhecido como Opep+, revelaram-se insuficientes para sustentar os preços, com uma queda dos valores de referência de quase 20% em relação a máximas do ano.

A Opep+ está atualmente reduzindo a produção em cerca de 6 milhões de barris por dia, o que representa cerca de 6% da oferta global.

A Opep enfrenta o enfraquecimento da procura pelo seu petróleo no primeiro semestre de 2024, num momento em que a sua quota de mercado global diminui para o nível mais baixo desde a pandemia da Covid-19, devido aos cortes na produção e à saída do membro Angola.

Uma pesquisa da Reuters com 34 economistas e analistas apontou que o petróleo Brent atingirá uma média de 82,56 dólares em 2024, abaixo do consenso de 84,43 dólares de novembro, já que eles previram que o fraco crescimento global limitará a demanda, enquanto as tensões geopolíticas poderão fornecer apoio.

Continua após a publicidade

(Reportagem adicional de Ahmad Ghaddar, Noah Browning e Sudarshan Varadhan)

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes