Futuros de Wall Street apontam para abertura fraca em 2024, Apple cai

Por Sruthi Shankar e Shristi Achar A

(Reuters) - Os futuros dos índices de ações dos EUA caíam nesta terça-feira, apontando para uma sessão fraca no primeiro dia de negociação de 2024, com a Apple em queda devido ao rebaixamento de um corretor e investidores ponderando se os grandes ganhos de mercado do ano passado serão sustentados.

Os três principais índices de ações dos EUA registraram ganhos mensais, trimestrais e anuais na sexta-feira, conforme investidores precificaram maiores chances de cortes nas taxas de juros do Federal Reserve este ano com o arrefecimento da inflação.

Para 2023, o índice de referência S&P 500, o Nasdaq, de alta tecnologia, e o Dow, de ações blue-chip, registraram ganhos de dois dígitos. O S&P 500 encerrou a sexta-feira a 1% de seu recorde de fechamento atingido em 3 de janeiro de 2022.

No entanto, os futuros de ações dos EUA estavam sob pressão nesta terça-feira, com o rendimento das notas do Tesouro dos EUA de 10 anos, uma referência para os custos globais de empréstimos, passando de 4,0000% e marcando o maior patamar em duas semanas no início da sessão, antes de diminuir para 3,9594%.

As ações da Megacap, incluindo Nvidia, Tesla e Alphabet perdiam entre 0,7% e 1,1% nas negociações pré-mercado. A Apple caía 1,8% depois que o Barclays rebaixou as ações da fabricante do iPhone para "abaixo do peso".

Às 9:48 (de Brasília), o futuro do Dow Jones caía 0,57%, a 37.795,00 pontos, enquanto o contrato futuro do S&P 500 perdia 0,72%, a 4.785,50 pontos. O futuro do Nasdaq 100 recuava 0,99%, a 16.855,25 pontos.

A leitura final da S&P Global da atividade manufatureira dos EUA para dezembro será divulgada às 11h45 (horário de Brasília). Outros dados econômicos desta semana incluem pedidos semanais de auxílio-desemprego, dados mensais das folhas de pagamento privadas e não agrícolas, bem como dados do setor de serviços.

Os participantes do mercado também estão aguardando a ata da reunião de política monetária de dezembro do Fed, programada para ser divulgada na quarta-feira, a fim de determinar o momento dos cortes de taxas amplamente esperados.

Continua após a publicidade

Os traders veem uma chance de quase 90% de uma pausa nos aumentos das taxas na reunião de janeiro e uma chance de cerca de 82% de um corte de pelo menos 25 pontos-base na reunião de março, de acordo com a ferramenta FedWatch do CME Group.

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes