Ibovespa sobe em dia de baixa liquidez por feriado nos EUA; GPA dispara 22,5%

Por Patricia Vilas Boas

SÃO PAULO (Reuters) - A bolsa paulista reverteu a baixa observada pela manhã e encerrou no azul nesta segunda-feira, com a diminuição das perdas do petróleo permitindo uma recuperação de papéis ligados a commodities, em um pregão com liquidez reduzida devido a feriado nos Estados Unidos.

Índice de referência do mercado acionário brasileiro, o Ibovespa subiu 0,41%, a 131.520,91 pontos. Na máxima do dia, chegou a 131.606,14 pontos. Na mínima, a 130.252,73 pontos. O volume financeiro somou 12,3 bilhões de reais.

"O mercado local teve um dia sem grandes emoções", resumiu o economista-chefe na Nova Futura Investimentos, Nicolas Borsoi.

Em um dia de menor liquidez por conta do feriado do Dia de Martin Luther King Jr. nos EUA, as ações da Petrobras foram a principal contribuição positiva ao índice, com os preços do petróleo devolvendo perdas mais acentuadas do início do pregão.

O bom desempenho de grandes bancos como Bradesco, Itaú Unibanco e Banco do Brasil também ajudaram o índice a se manter no azul.

Outro destaque foi o rali de GPA, que disparou 22,5%, líder entre as altas percentuais do Ibovespa.

Segundo Alexsandro Nishimura, economista e sócio da Nomos, há o entendimento de que a convocação de nova assembleia geral extraordinária (AGE) em 22 de janeiro para deliberar sobre aumento do limite de capital pode representar uma injeção adicional de caixa à companhia.

Além do mercado com menor liquidez, houve ainda certa cautela no cenário local, com agentes financeiros aguardando a reunião entre o ministro da Fazenda, Fernando Haddad, e o presidente do Congresso, senador Rodrigo Pacheco (PSD-MG), para discutir uma série de pautas fiscais, disse Gustavo Harada, chefe da mesa de renda variável da Blackbird Investimentos.

Continua após a publicidade

A Fazenda está negociando um acordo com o Congresso que preveja ao menos uma redução gradual da desoneração da folha de pagamento, disseram duas fontes à Reuters nesta segunda-feira.

Para o estrategista de renda fixa Lucas Queiroz, do Itaú BBA, "o grande catalisador para os mercados no ano de 2024 deverá ser o início do ciclo de queda da taxa de juros nos EUA".

Em relatório a clientes, Queiroz disse que embora os dados de inflação norte-americana da semana passada não tenham sido "claros o suficiente" para eliminar questionamentos, uma análise da dinâmica após a divulgação aponta que "o otimismo parece estar de volta ao cenário".

DESTAQUES

- GPA ON saltou 22,55%, a 5,00 reais, ampliando o rali de sexta-feira, quando subiu mais de 11%, e alcançando uma máxima em quatro meses em meio à convocação de nova AGE para decidir sobre o aumento do limite de capital autorizado da empresa, visando uma potencial oferta de ações no valor estimado de 1 bilhão de reais, segundo analistas.

- GOL PN despencou 6,05%, a 7,14 reais. A companhia aérea está considerando fazer um pedido de recuperação judicial nos EUA no próximo mês, publicou o jornal Folha de S.Paulo no domingo, citando fontes com conhecimento da situação. No setor, AZUL PN caiu 2,36%, a 13,64 reais.

Continua após a publicidade

- VALE ON caiu 0,20%, a 71,55 reais, entre as principais contribuições negativas ao índice, após segunda sessão consecutiva de queda dos preços do minério de ferro, com o contrato de maio mais negociado na Bolsa de Mercadorias de Dalian (DCE) da China encerrando as negociações diurnas com baixa de 3,17%, a 933 iuanes (130,10 dólares) a tonelada. CSN MINERAÇÃO ON fechou em queda de 3,21%, a 6,94 reais e CSN ON recuou 0,34%, a 17,84 reais.

- PETROBRAS PN avançou 1,07%, a 38,58 reais, apesar da leve baixa nos futuros do petróleo no mercado internacional, com o Brent fechando em queda de 0,18%, a 78,15 dólares por barril.

- ITAÚ UNIBANCO PN fechou em alta de 0,18%, a 33,45 reais, enquanto BRADESCO PN subiu 0,38%, a 15,87 reais. BANCO DO BRASIL ON subiu 1,96%, a 56,20 reais

- ELETROBRAS ON valorizou-se 1,30%, a 43,49 reais. A companhia elétrica aprovou na semana passada a incorporação da subsidiária Furnas, após impasses que chegaram a levar à suspensão da realização de AGE, convocada inicialmente para 29 de dezembro, sob a alegação de "graves prejuízos".

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes