Ainda faltam peças no quebra-cabeça da inflação do Fed

Por Howard Schneider

WASHINGTON (Reuters) - As autoridades do Federal Reserve suspeitavam que a luta para reduzir a inflação seria difícil e têm relutado em declarar sucesso, mesmo com a desaceleração dos aumentos de preços.

Os dados de dezembro mostraram o motivo.

A inflação geral dos preços ao consumidor aumentou, enquanto uma medida da inflação subjacente caiu. Os preços ao produtor, que são os custos que compõem o que os consumidores acabam pagando, caíram, e um indicador das margens adicionadas pelos varejistas caiu drasticamente - um possível sinal do desenvolvimento da concorrência de preços.

Mas os custos de moradia continuam aumentando, assim como os preços cobrados por uma série de serviços, como o seguro de automóveis. Um rastreador de salários do Fed de Atlanta mostrou recentemente aumentos salariais maiores para as pessoas que permaneceram em seus empregos, uma descoberta que vai contra a noção de que o mercado de trabalho estava se estabilizando após um período marcado por altos ganhos salariais.

Somando tudo isso, as autoridades de política monetária do Fed dizem que ainda precisam de mais evidências que os convençam de que a inflação retornará à meta de 2% do banco central dos EUA e permanecerá nesse nível antes de se comprometerem com cortes na taxa de juros, que os mercados financeiros esperam que comecem talvez já em março.

PEQUENA DISTÂNCIA

Embora alguns fatores de inflação tenham se voltado decisivamente a favor do Fed, outros ainda não foram resolvidos.

A próxima reunião de política monetária do banco central está agendada para 30 e 31 de janeiro. Espera-se que, ao final dessa reunião, as autoridades mantenham a taxa de juros de referência do Fed, como têm feito desde julho, na faixa de 5,25% a 5,50%.

Continua após a publicidade

Os comentários feitos na semana passada pelo diretor do Fed Christopher Waller mostram as duas ideias que irão moldar o debate enquanto as autoridades consideram quando começar a reduzir os custos dos empréstimos, que aumentaram em um ritmo recorde em 2022 e 2023 para esfriar o pior surto de inflação desde a década de 1980.

A inflação, disse Waller, está agora "a uma distância pequena" da meta do Fed, com o índice de preços PCE, que o Fed usa como referência, atingindo a meta de 2% em uma base de seis meses até novembro. Os dados de dezembro serão divulgados na sexta-feira.

Na base anual, o PCE caiu para 2,6%, de uma alta de 7,1% em junho de 2022, e espera-se que continue caindo.

No entanto, mesmo que o risco de um recrudescimento tenha diminuído, "a pior coisa que poderíamos ter é que tudo se reverta e já tenhamos começado a cortar", disse Waller. "Queremos realmente ver evidências de que esse progresso, essa tendência... continua. Acredito que sim. Temos que ver isso antes de começarmos a tomar decisões."

ALÉM DOS EFEITOS DE BASE

O que criará essa convicção?

Continua após a publicidade

Nos próximos meses, a aritmética básica deve ajudar, já que as leituras elevadas de inflação do início de 2023 sairão dos cálculos.

Mas as autoridades de política monetária do Fed tentarão olhar além disso para ver como os diferentes componentes da inflação estão se comportando em períodos mais curtos para ter uma noção se as empresas estão realmente se tornando menos agressivas ao determinar os preços.

Isso já está acontecendo com muitos produtos, em que os preços em geral caíram cerca de 1% de setembro a dezembro. Quando os itens voláteis de alimentos e energia são excluídos, os preços dos produtos estão caindo há sete meses. Os estoques estão enxutos após a reconstrução da era da pandemia, e as relações estoque/vendas estão mais ou menos onde estavam antes da crise de saúde.

Para o Fed, esse é um retorno bem-vindo a um mundo familiar. A queda dos preços de bens foi um subproduto da liberalização do comércio na década de 2000 e ajudou a ancorar a inflação baixa até 2019, até que a pandemia da Covid-19 desorganizou as cadeias globais de oferta, a demanda por bens de consumo aumentou devido à crise de saúde e os preços dispararam.

Em seu pico, em fevereiro de 2022, os preços de bens, excluindo alimentos e produtos energéticos, estavam aumentando 12,3% ao ano.

Mas as autoridades também não querem confiar muito nisso, e os acontecimentos recentes, como os ataques de militantes iemenitas alinhados ao Irã que desencorajaram o transporte marítimo pelo Canal de Suez e os atritos comerciais entre os EUA e a China, aumentaram as preocupações sobre novas pressões sobre os preços.

Continua após a publicidade

MORADIAS E SERVIÇOS

A pandemia levou ao aumento dos preços das casas em algumas partes dos EUA e à queda dos aluguéis em outras, mas os custos gerais de moradia aumentaram apenas 1,4% nos 12 meses encerrados em fevereiro de 2021, menos da metade da taxa típica anterior ao surto de Covid-19.

Mas a inflação da moradia então acelerou, atingindo 8,2% em março de 2023. Essa leitura está diminuindo, e as autoridades do Fed continuam confiantes de que a desinflação do custo dos abrigos continuará.

No entanto, o processo tem sido tão lento que algumas autoridades consideram que os custos de moradia ainda são muito persistentes para se confiar neles.

Se o último capítulo da luta do Fed contra a inflação se resume a uma coisa, é se o enorme setor de serviços, que responde por cerca de dois terços da economia, se comporta mais como as tarifas aéreas ou o seguro de automóveis.

Quando o índice de preços ao consumidor atingiu um pico acima de 9% em junho de 2022, os aumentos nos prêmios de seguro de automóveis foram responsáveis por cerca de 0,15 ponto percentual dessa mudança, enquanto as tarifas aéreas foram responsáveis por 0,18 ponto. Porém, os preços das companhias aéreas vêm caindo há nove meses, enquanto os prêmios de seguro de automóveis continuam sua trajetória ascendente - tendo aumentado 20% no último ano até dezembro e respondendo por meio ponto percentual da taxa de inflação de 3,4% daquele mês.

Continua após a publicidade

A inflação de serviços fora do setor de habitação vem diminuindo, mas continua elevada, e algumas autoridades estão preocupadas com a possibilidade de que ela persista.

O empurra-empurra entre os setores, de pequenas empresas a cadeias nacionais, de assistência médica a cortes de cabelo, pode muito bem definir o ritmo da tomada de decisão do próprio Fed.

(Reportagem adicional de Ann Saphir)

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes