Conselho Monetário aprova limite de R$31 bi em operações de crédito por órgãos do setor público em 2024

Por Bernardo Caram

BRASÍLIA (Reuters) - O Conselho Monetário Nacional (CMN) aprovou, em reunião realizada nesta quinta-feira, um limite de 31,1 bilhões de reais para contratações de crédito por órgãos e entidades do setor público em 2024, sedo 18,7 bilhões de reais para operações garantidas pela União e 12,3 bilhões de reais sem garantia.

A decisão inclui limites individuais para governos regionais, operações no âmbito do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), contratações de Parcerias Público Privadas (PPPs) e empresas da área de energia nuclear.

Em nota, o Tesouro Nacional informou que a resolução aprovada traz inovações “que vão garantir espaço fiscal e permitir acompanhar a execução do novo PAC e de PPPs”.

Para Estados e municípios, os limites serão de 10 bilhões de reais com garantia e 7 bilhões de reais sem garantia. Nas operações do PAC, o teto ficou em 5 bilhões de reais para financiamentos com garantia e 2 bilhões de reais sem garantia.

"O maior valor para operações com garantia tem por objetivo induzir os entes subnacionais a uma melhor gestão fiscal, uma vez que empréstimos com garantia da União são exclusivos para entes com capacidade de pagamento A e B", informou o Tesouro.

No caso das PPPs, o limite será de 2 bilhões de reais, com garantia do Tesouro. Órgãos e entidades da União também com teto de 625 milhões de reais, sem garantia.

Para a área nuclear, que inclui a Empresa Brasileira de Participações em Energia Nuclear e Binacional (ENBPar) e a Eletronuclear, os limites serão de 1,7 bilhão de reais com garantia e 2,7 bilhões de reais sem garantia.

O CMN é formado pelo ministro da Fazenda, Fernando Haddad, o presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, e a ministra do Planejamento e Orçamento, Simone Tebet.

Continua após a publicidade

(Por Bernardo Caram)

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes