Biden suspende aprovação de novos projetos de exportação de GNL, em vitória para ativistas

Por Timothy Gardner

WASHINGTON (Reuters) - O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, suspendeu as aprovações pendentes de exportação de gás natural liquefeito (GNL) a partir de novos projetos na sexta-feira, uma medida aplaudida por ativistas do clima que poderia atrasar decisões sobre novas usinas até depois da eleição de 5 de novembro.

O Departamento de Energia dos EUA (DOE, na sigla em inglês) realizará uma análise, durante a pausa, sobre os impactos econômicos e ambientais dos projetos que buscam aprovação para exportar GNL para a Europa e a Ásia, onde o combustível é muito procurado.

A análise levará meses e depois será aberta a comentários públicos, o que levará mais tempo, disse a secretária de Energia, Jennifer Granholm, a repórteres em uma teleconferência.

Biden disse em um comunicado: "Durante esse período, examinaremos com atenção os impactos das exportações de GNL sobre os custos de energia, a segurança energética dos Estados Unidos e nosso meio ambiente". Ele disse que a pausa "vê a crise climática pelo que ela é: a ameaça existencial de nosso tempo".

As autoridades do governo prometeram que a pausa não prejudicaria os aliados, dizendo que o plano virá com isenções para segurança nacional caso eles precisem de mais GNL.

"Estamos comprometidos com o fortalecimento da segurança energética aqui nos EUA e com nossos aliados", disse Granholm.

Empresas e países da Europa estão preocupados com o fornecimento constante de gás dos EUA, já que a região vem tentando se livrar do gás canalizado da Rússia após a invasão da Ucrânia em 2022. Os aliados dos EUA na Ásia também cobiçam o GNL, pois estão buscando reduzir o consumo de carvão.

A última análise de projetos de exportação de GNL foi feita em 2018, quando a capacidade de exportação era de 4 bilhões de pés cúbicos por dia (bcfd). Essa capacidade triplicou, com os EUA se tornando o maior exportador de GNL do mundo no ano passado, e deve aumentar ainda mais até 2030 com os projetos em construção.

Continua após a publicidade

O crescimento gerou protestos de ambientalistas, parte da base de Biden. Os ativistas afirmam que os novos projetos de GNL podem prejudicar as comunidades locais com a poluição, manter a dependência global de combustíveis fósseis por décadas e gerar emissões de gás e de metano.

Os ambientalistas saudaram a medida como um passo ousado.

Ela "dá continuidade aos esforços históricos deste governo para cumprir o compromisso global de eliminar gradualmente os combustíveis fósseis e enfrentar a crise climática de frente", disse Ben Jealous, diretor do Sierra Club.

Setores do setor industrial dos EUA, desde produtos químicos, aço, alimentos e agricultura, também se opõem às exportações irrestritas de gás dos EUA, dizendo que isso aumenta os riscos para os preços e a confiabilidade dos combustíveis.

Apenas quatro projetos com aprovações de exportação pendentes no DOE seriam afetados pela pausa, disse um funcionário do governo, sem nomeá-los. Os projetos poderiam incluir os da Sempra Infrastructure, Commonwealth LNG e Energy Transfer, informou o site do DOE.

A Sempra está confiante de que seus projetos ajudarão a substituir os combustíveis fósseis mais intensos em carbono, inclusive o carvão, e fornecerão gás aos aliados, disse um porta-voz. As outras empresas não responderam imediatamente aos pedidos de comentários.

Continua após a publicidade

(Reportagem de Timothy Gardner; reportagem adicional de Curtis Williams em Houston)

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes