Previsão fraca da Intel derruba S&P 500 e encerra série de máximas recordes

Por Noel Randewich e Ankika Biswas

(Reuters) - O índice S&P 500 encerrou nesta sexta-feira uma série de cinco sessões de máximas recordes, com a queda da Intel após uma previsão de receita desanimadora, enquanto dados econômicos dos Estados Unidos mostraram uma moderação da inflação.

Apesar de o S&P 500 e o índice de tecnologia Nasdaq terem encerrado a sessão em baixa, os três principais índices acionários registraram sua terceira alta semanal consecutiva e seu 12º avanço semanal em 13.

Um relatório do Departamento de Comércio dos EUA mostrou que o índice PCE -- o indicador preferido do Federal Reserve para a inflação -- aumentou moderadamente em dezembro. Isso manteve a alta anual da inflação abaixo de 3% pelo terceiro mês consecutivo e reforçou a hipótese de cortes na taxa de juros este ano.

Na quinta-feira, dados mostraram uma forte leitura do crescimento econômico dos EUA no quarto trimestre.

A Intel caiu 11,9%, atingindo seu patamar mais baixo em seis semanas, depois de ter apresentado uma previsão de receita que não correspondeu às estimativas, conforme tenta recuperar o atraso na corrida da inteligência artificial (IA) e, ao mesmo tempo, lida com um mercado fraco de computadores.

O índice Philadelphia de semicondutores caiu 2,9%, no segundo dia de queda após fechar em patamar de alta recorde na quarta-feira.

O Dow Jones subiu 0,16%, para 38.109,43 pontos. O S&P 500 teve variação negativa de 0,07%, para 4.890,97 pontos. O Nasdaq caiu 0,36%, para 15.455,36 pontos.

Na semana, o S&P 500 subiu 1,06%, o Dow Jones ganhou 0,65% e o Nasdaq avançou 0,94%.

Continua após a publicidade

Nas últimas sessões, o S&P 500 voltou a registrar máximas recordes pela primeira vez em dois anos, ampliando uma tendência de alta impulsionada pelo otimismo em relação à economia norte-americana e a juros mais baixos, além de apostas em IA.

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes