Multinacional de commodities, Trafigura avalia riscos no Mar Vermelho após navio ser atacado por Houthis

DUBAI (Reuters) - A multinacional de commodities Trafigura anunciou neste sábado que estava avaliando os riscos de segurança de futuras viagens pelo Mar Vermelho depois que bombeiros apagaram um incêndio em um navio-tanque atacado pelo grupo Houthi do Iêmen um dia antes.

As Forças Armadas dos Estados Unidos disseram que um navio da Marinha e outras embarcações prestaram assistência depois que o Marlin Luanda foi atingido por um míssil anti-embarcação.

“Nenhum outro navio operando em nome da Trafigura está atualmente em trânsito no Golfo de Aden e continuamos a avaliar cuidadosamente os riscos envolvidos em qualquer viagem, inclusive no que diz respeito à segurança e proteção da tripulação, juntamente com proprietários e clientes”, disse um comunicado da Trafigura.

Algumas companhias marítimas suspenderam o trânsito no Mar Vermelho, que é acessado a partir do Golfo de Aden, e fizeram viagens muito mais longas e mais caras ao redor da África para evitar serem atacados pelo grupo Houthi do Iêmen, apoiado pelo Irã, e que começou a lançar ondas de drones e mísseis explosivos em navios em 19 de novembro em resposta às operações militares de Israel em Gaza.

Os ataques Houthi visaram principalmente navios cargueiros que atravessam o Mar Vermelho. Muitas embarcações-tanque continuaram usando a rota.

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes