Financeiras enfrentam escassez de aviões em meio à crise do Boeing MAX

Por Tim Hepher e Padraic Halpin

DUBLIN (Reuters) - As empresas de financiamento por trás do setor aéreo mundial estão se reunindo pela primeira vez desde que a parte da fuselagem de uma aeronave da Boeing se soltou em pleno voo e levou a fabricante a uma nova crise de segurança, agravando a escassez de aviões à medida que os órgãos reguladores intensificam as inspeções nas fábricas.

Locadores, banqueiros e companhias aéreas reunidos em Dublin -- sede de um setor de financiamento aéreo global em expansão -- estão examinando as consequências para o fornecimento de uma recente paralisação parcial do Boeing 737 MAX 9, após o incidente com a aeronave operada pela Alaska Airlines no início de janeiro.

Há meses, a aviação vem lutando para acompanhar o ritmo do boom de viagens pós-pandemia em meio à escassez de mão de obra e peças.

Mas a indignação generalizada com o quase desastre que levou a um pouso de emergência de uma aeronave sem parte de sua fuselagem lateral, que não deixou feridos graves, acrescentou uma nova camada de risco regulatório.

"A demanda é mais ou menos uma questão de sorte; a questão é quando a oferta será alcançada?", Rob Morris, chefe de consultoria global da Ascend by Cirium, disse à Reuters antes da conferência Airline Economics, que tem duração de uma semana e começa na segunda-feira.

"Estimamos 2026 ou 2027, mas deve haver um risco de queda agora por causa do MAX."

Na semana passada, a Administração Federal de Aviação dos Estados Unidos (FAA) tomou a medida incomum de ordenar que a Boeing parasse de aumentar a produção do 737 MAX até que as preocupações com o controle de qualidade fossem resolvidas.

A agência não deu nenhuma indicação de quanto tempo o limite pode durar. Porém, quando ele for suspenso, os especialistas do setor dizem que os reguladores deverão manter controles adicionais que poderão reduzir as previsões de produção.

Continua após a publicidade

Embora uma crise de segurança anterior sobre acidentes fatais do MAX em 2018 e 2019 tenha levado os reguladores a reforçar o controle do projeto e desenvolvimento de aeronaves, o incidente com o avião da Alaska e as descobertas subsequentes de parafusos soltos em outras aeronaves do mesmo modelo podem pesar sobre a produção.

Isso, segundo os analistas, significa que as duas crises tornarão os aviões mais difíceis de desenvolver e mais lentos de produzir, respectivamente.

A restrição se soma aos problemas generalizados na cadeia de suprimentos desde a pandemia.

"Temos enormes desafios para os fabricantes, seja no nível da estrutura ou do motor, ou de subcomponentes como assentos e cozinhas", disse Steven Udvar-Hazy, presidente executivo da Air Lease Corp, na conferência Airline Economics.

Essa é uma notícia potencialmente boa para as empresas de leasing que já fizeram grandes pedidos de aviões e agora garantirão um retorno maior sobre seus investimentos, já que as companhias aéreas correm para alugar aviões.

Mas, para as companhias aéreas, isso pode significar uma lacuna no recebimento de novas tecnologias necessárias para diminuir os custos e reduzir as emissões, bem como taxas de aluguel mais altas. Isso, por sua vez, pode levar a tarifas mais altas.

Continua após a publicidade

Depois que a Boeing enfrentou uma enxurrada de críticas dos órgãos reguladores e dos políticos, a conferência de Dublin será um novo teste de confiança na fabricante de aviões entre os proprietários que representam mais da metade da frota mundial de aviões.

Vários comentaristas do setor, incluindo o influente analista Richard Aboulafia, pediram que o presidente-executivo da Boeing, Dave Calhoun, ou outros executivos e membros da diretoria se afastassem.

A Boeing se recusou a comentar diretamente sobre essas observações.

A aviação é um setor muito unido, com poucos fornecedores e longa memória, de modo que ataques explícitos às gerências tendem a ser raros -- pelo menos em público.

No entanto, os investidores prestarão muita atenção ao tom das intervenções dos diretores das principais empresas de leasing, como AerCap, SMBC Aviation Capital, Air Lease e Avolon, na principal conferência anual do setor, segundo os delegados.

Calhoun prometeu que a Boeing reconhecerá os erros e garantirá que um acidente como o da Alaska Airlines "nunca mais aconteça".

Continua após a publicidade

(Reportagem adicional de Conor Humphries, Valerie Insinna e David Shepardson)

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes