Ibovespa hesita em começo de semana com Fed e Copom; Magalu avança

Por Paula Arend Laier

SÃO PAULO (Reuters) - O Ibovespa mostrava variações modestas nesta segunda-feira, em meio à falta de uma tendência clara no cenário externo, refletindo certa cautela antes de eventos relevantes na semana, enquanto Magazine Luiza chegou a disparar quase 10% após anunciar aumento de capital privado de 1,25 bilhão de reais.

Às 10h58, o Ibovespa subia 0,05%, a 129.029,65 pontos. O volume financeiro somava 2,1 bilhões de reais.

Na última sexta-feira, o Ibovespa fechou em alta de 0,62%, a 128.967,32 pontos, acumulando um ganho de 1,04% na semana, no primeiro resultado semanal positivo do ano.

De acordo com economistas do Bradesco, os investidores atuam em compasso de espera neste começo de semana, marcada pela decisão de política monetária do Federal Reserve na quarta-feira, além de balanços de empresas de tecnologia nos EUA.

É consenso que o Comitê Federal de Mercado Aberto (Fomc, na sigla em inglês) do banco central norte-americano manterá a taxa de juros na faixa de 5,25% a 5,50%, assim, as atenções estarão voltadas para os sinais sobre os próximos passos.

"Com o Fomc prometendo manter os juros inalterados nesta semana, investidores monitoram a possibilidade de o ciclo de afrouxamento ser iniciado ainda no primeiro trimestre, no caso na reunião de março, ou se ficará para maio ou junho", disse a equipe da corretora Commcor em nota a clientes.

Ainda no radar estarão os dados do mercado de trabalho dos Estados Unidos previstos para a sexta-feira, que também devem ajudar a calibrar as expectativas sobre o rumo dos juros na maior economia do mundo.

O Banco Central do Brasil também estará sob os holofotes na quarta-feira, quando o Comitê de Política Monetária (Copom) deve anunciar mais um corte de 0,50 ponto percentual na taxa Selic, para 11,25% ao ano.

Continua após a publicidade

DESTAQUES

- MAGAZINE LUIZA ON valorizava-se 5,77%, a 2,20 reais, após a varejista anunciar aumento de capital privado de 1,25 bilhão de reais. Os acionistas controladores da empresa - a família Trajano - injetarão até 1 bilhão de reais na empresa, enquanto o banco BTG Pactual se comprometeu a investir até 250 milhões de reais. Analistas do Safra afirmaram que a notícia é positiva do lado do balanço, pois reduz o endividamento da empresa, mas acrescentaram que gostariam de ver um melhor desempenho nas margens operacionais para serem mais "bullish" com a empresa. Na máxima até o momento, as ações chegaram a 2,28 reais (+9,62%). No setor, CASAS BAHIA ON subia 0,23%, a 8,72 reais. O Citi cortou o preço-alvo das ações da Casas Bahia para 10 reais, ante 17,50 reais, enquanto manteve a recomendação "neutra/alto risco".

- GOL PN recuava 9,80%, a 5,34 reais, tendo de pano de fundo dados não auditados mostrando que encerrou dezembro com endividamento de 20,176 bilhões de reais, praticamente estável ante o final de setembro. Os seus ativos no final de 2023 somavam 16,832 bilhões de reais e o patrimônio líquido estava negativo em 23,350 bilhões. No final da sexta-feira, a Fitch rebaixou a recomendação de crédito da empresa de "CCC-" para "D". Também na sexta-feira, a Bolsa de Nova York (Nyse) anunciou a suspensão de negociação das American Depositary Shares (ADSs) da Gol e que iniciara procedimentos de deslistagem. Desde o anúncio de pedido de recuperação judicial nos Estados Unidos, na última quinta-feira, as ações da Gol acumulam queda de mais de 19%. AZUL PN, que cedia 0,35% nesta sessão, avançava cerca de 7% no mesmo período.

- VALE ON caía 0,45%, a 69,19 reais, mesmo após os preços do minério de ferro na China atingirem uma máxima de três semanas nesta segunda-feira, em meio à esperança de aumento da demanda devido a políticas de apoio ao mercado imobiliário chinês e à expectativa de mais estímulos. O contrato mais negociado na Dalian Commodity Exchange fechou em alta de 1,1%, a 998,50 iuans (139,09 dólares) por tonelada. No início da sessão, atingiu 1.006 iuans, o maior valor desde 8 de janeiro. A companhia reporta após o fechamento dados de produção e vendas do quarto trimestre de 2023. A queda nesta sessão ocorre após os papéis acumularam na semana passada alta de 2%.

- PETROBRAS PN avançava 0,73%, a 40,25 reais, apesar da fraqueza dos preços do petróleo no exterior, onde o barril de Brent cedia 0,78%, a 82,9 dólares.

- ITAÚ UNIBANCO PN ganhava 0,06%, a 32,83 reais, enquanto BRADESCO PN caía 0,13%, a 15,50 reais.

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes